Você está aqui: Página Inicial / Competitividade Brasil / Notícias / Anel Rodoviário de Belo Horizonte será revitalizado com investimentos superiores a R$ 1 bilhão

Competitividade Brasil

Anel Rodoviário de Belo Horizonte será revitalizado com investimentos superiores a R$ 1 bilhão

Belo Horizonte – Cidade deve ganhar também dois outros anéis viários, que exigirão aportes da ordem de R$ 1,5 bilhão.

Por giovanna

Sebastião Donizete de Souza, superintendente do DNIT em Minas Gerais

O Anel Rodoviário de Belo Horizonte, que consiste na sobreposição de trechos das rodovias BR 262 (Vitória – Uberaba), BR 381 (São Paulo – Governador Valadares) e BR 040 (Rio – Brasília), passará por obras de readequação cujos investimentos prometem ultrapassar R$ 1 bilhão. A previsão do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) é que, até maio, seja lançada a concorrência para a execução das obras.

O projeto, que contempla a revitalização de 31,6 quilômetros, previa inicialmente aportes de R$ 837,5 milhões.

“Certamente, a revitalização do anel passará de R$ 1 bilhão em função da incorporação no novo projeto executivo de intervenções que não estavam previstas no plano original, doado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH)”, informou Sebastião Donizete de Souza, superintendente do DNIT em Minas Gerais, em participação no comitê de Logística da Amcham-Belo Horizonte na quarta-feira (24/02).

 

Contexto

 

O projeto faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com recursos do governo federal e da Prefeitura de Belo Horizonte, e engloba intervenções em 17 pontos do Anel Rodoviário, dando prioridade a acessos, como os entroncamentos com as avenidas Amazonas e Pedro II. Estão incluídos ainda a construção de 11 trincheiras, seis viadutos e oito passarelas. “A projeção é de que as obras sejam iniciadas entre agosto e setembro”, adiantou Souza.

“A modernização pretende extinguir armadilhas que, nos últimos 60 anos, com a construção da via de ligação entre as principais rodovias que cortam a Grande Belo Horizonte, acabaram por favorecer acidentes e dificultar o tráfego de veículos e pedestres. Nos pontos com índice elevado de atropelamentos, deverão ser construídas oito passarelas”, afirmou Roberto Carvalho, vice-prefeito de Belo Horizonte, que também esteve no evento.

O Anel Rodoviário compreende trechos de três rodovias federais. O edital divide as obras de acordo com cada subtrecho: BR-040 (do Viaduto do Mutuca ao trevo do Bairro Califórnia); BR-262 (entroncamento da MG-437, que segue para Sabará, ao viaduto da Avenida Amazonas); e BR-381 (entroncamento do Bairro Goiânia ao viaduto da Avenida Amazonas).

 

Obras complementares

 

O tráfego médio do Anel Rodoviário de Belo Horizonte é hoje muito intenso, da ordem de 75 mil veículos/dia, distribuídos entre automóveis de passeio, picapes e motos (58.500 veículos, o equivalente a 78% do total); ônibus (1.500 veículos ou 2%); e veículos de carga (15 mil veículos, correspondentes a 20%).

Para suportar o grande fluxo, além da revitalização do Anel Rodoviário de Belo Horizonte, está prevista a construção de outros dois anéis viários: o do Contorno Norte e o do Contorno Sul.

 

Anel Viário de Contorno Norte

 

Com 67km de extensão, o Anel de Viário Contorno Norte será uma via de ligação entre as rodovias BR-381 Sul (Fernão Dias) e BR-381 Norte.
O principal objetivo da obra é retirar o tráfego de longa distância do atual anel rodoviário. “O Anel Viário de Contorno Norte é uma obra estruturante porque insere a Região Metropolitana de Belo Horizonte na estrutura econômica nacional”, opinou o vice-prefeito da capital mineira.
Cálculos indicam que a obra do Anel de Contorno Norte reduzirá o volume de tráfego do atual anel em aproximadamente 15% do tráfego registrado hoje. O edital de licitação desse projeto deve ser publicado no próximo mês.

“O plano básico foi aprovado pelo Ministério dos Transportes e a via está licenciada. A obra deve ser iniciada em 2012 e demandará aportes de R$ 1 bilhão”, revelou o superintendente do DNIT.

O traçado passa pelos seguintes municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte: Betim, Contagem, Ribeirão das Neves, Pedro Leopoldo, São José da Lapa, Vespasiano, Santa Luzia, Sabará e Ravena.

 

Anel Viário de Contorno Sul

 

O Anel Viário Sul terá extensão de 35 Km e fará a ligação da BR-381 Sul (Betim), da BR-262 (Oeste – Triângulo Mineiro) e do Anel de Contorno Norte à BR-040 (BH-RJ) e à BR-356.

O Contorno Sul possui três metas principais, do ponto de vista intra-metropolitano: desviar o tráfego de veículos provenientes de SP e do Triângulo Mineiro que hoje passam pelo Anel Rodoviário; possibilitar acesso às empresas Fiat e Petrobras na BR- 381, à MG-040 e à cidade de Ibirité; e aliviar o tráfego da Avenida Amazonas, em Belo Horizonte.

Segundo Sebastião Donizete de Souza, o DNIT já foi autorizado a publicar a concorrência para o projeto executivo e as obras devem começar no próximo ano. Os investimentos devem girar em torno de R$ 500 milhões.

 

outras-atividades-regionais.jpg

 

 

sugira-temas-competitividade.png

 

Dê sua opinião

A reeleição de Dilma terá algum impacto no plano de investimentos da sua empresa em 2015?

Sim, haverá ampliação dos investimentos;
Sim, haverá redução dos investimentos;
Não, nenhum impacto. Os investimentos previstos serão mantidos.
spinner
Total de votos: 270
© 1995-2013 Copyright AMCHAM - Câmara Americana de Comércio. Todos os direitos reservados