O consumo mudou: entenda o novo mundo que foi criado para as marcas

publicado 28/07/2020 14h42, última modificação 29/07/2020 15h03
Brasil - Em um mundo abalado pela pandemia, comprar se tornou um ato social e a coerência entre propósito e atuação efetiva de uma companhia é essencial
DESTAQUE PRINCIPAL 30.07.jpeg

Facilitação Gráfica: Ideia Clara

Como uma verdadeira máquina do tempo, a pandemia acelerou uma série de transformações e materializou um futuro incerto em todos os setores da economia, impondo um grande desafio para as empresas: ‘adapte-se ou desapareça’. Nesse novo cenário, houve mudanças expressivas no comportamento do consumidor em todos os níveis da jornada de compra, e é preciso estar atento a elas para atender às expectativas de quem faz a roda girar.  

O que acontece hoje é uma restruturação na ordem econômica do mundo e, consequentemente, no modo de se vender. O que reina em países desenvolvidos agora, de acordo com Guilherme Athia, fundador da Atlantico em Bruxelas, é o capitalismo consciente. Na prática, negócios criados nesta vertente promovem, simultaneamente, diferentes valores para todas as partes interessadas e não se restringem apenas à geração de lucro e renda.  Athia compartilhou esse cenário durante nosso webinar de marketing, realizado no dia 24/07.

Por estarem passos à frente do Brasil na realidade da pandemia, os países da Ásia e Europa já perceberam a mudança e agora lutam para se adaptar. Há dois anos, segundo Sérgio Espeschit, o governo chinês decidiu abraçar o capitalismo consciente e apoiar organizações focadas em criar soluções que transformassem sua linha de produção. “Empresas que fazem coisas erradas são destruídas pelo público e pelo governo”, conta o consultor de negócios entre Brasil, Oriente Médio e China na Eastward.  

 

CONSUMIDORES ANTENADOS 

Em um mundo abalado pela pandemia, comprar se tornou um ato social. Não é de hoje que os consumidores cobram cada vez mais coerência entre o propósito e a atuação efetiva de uma companhia, especialmente quando o assunto é diversidade, responsabilidade social e sustentabilidade. Com a revolução dos smartphones, a informação está na palma da mão e a possibilidade de manifestar sua opinião em plataformas digitais realçou o poder de quem compra. “Se a marca não se posiciona sobre assuntos latentes na sociedade, as pessoas não vão advogar ou se posicionar por ela”, avalia a Diretora Global de Marketing da IHS Markit.  

Definitivamente, não há mais zona de conforto para as marcas – e não só a conduta da empresa está sendo avaliada, mas também de quem trabalhar nela. “Se um funcionário de uma empresa não tem uma conduta correta, há um boicote online”, diz Dyene Galantini. É o caso da AVON que, ao ser cobrada por seus clientes, decidiu se posicionar em suas redes sociais e afastar uma funcionária após denúncias de violação aos direitos humanos.  

É por esse motivo que Guilherme Athia, fundador da Atlantico em Bruxelas, acredita que também é hora de reavaliar a forma como as empresas se comunicam. “Hoje, o ‘boca a boca’ funciona mais do que o estardalhaço midiático. A comunicação precisa ser feita de forma prescritiva, não ‘marketeira’”, diz.  

 

Facilitação Gráfica: Ideia Clara Facilitação gráfica: Ideia Clara

 

O QUE SÃO OS WEBINÁRIOS?

São transmissões ao vivo de bate-papos e entrevistas, exclusivos online, sobre diversos assuntos do mundo empresarial. Diante da atual situação com a COVID-19 no Brasil, transformamos os encontros presenciais em atividades digitais e webinários.

 

PARA QUEM SÃO E COMO FUNCIONAM?

Os webinários especiais sobre a Covid-19 são públicos, totalmente gratuitos e podem ser acessados pelo link amcham.com.br/aovivoPara se manter atualizado sobre nosso calendário e se inscrever rapidamente nos eventos, baixe o aplicativo o App Amcham, disponível na Apple Store ou no Google Play.