Mapeie os riscos de Compliance na sua empresa e evite desvios no perfil ético de seus funcionários

publicado 12/12/2019 16h24, última modificação 16/12/2019 14h23
Gestora de canais de denúncia terceirizados, a consultoria ICTS Protiviti pontua 4 estratégias para reforçar a cultura ética em sua empresa.
Destaque Site 800X400 (2).jpg

 

A sociedade brasileira, em tempos de grande apoio às investigações de corrupção e maior exposição midiática de denúncias de assédio, se encontra com grau de exigência apurado em relação à maneira com a qual as pessoas – dentro e fora do escopo organizacional – se portam.

Práticas de cunho antiético estão sendo respondidas com mobilizações que prezam o fortalecimento do diálogo, o estabelecimento de ações de combate e até mesmo punições.  Assim, atuar de forma ética se torna um imperativo de valorização para uma organização.

Com o intuito de entender os níveis de flexibilidade moral em relação aos riscos de desvio no perfil ético dos colaboradores, a consultoria ICTS Protiviti, pioneira no Brasil na prestação de serviços de avaliação e mapeamento de normas de compliance, aferiu mais de 4 mil profissionais em 133 empresas.

 

Em nosso e-book, você encontra uma análise completa e estratégias para aplicar em sua organização.

 

GRATIFICAÇÕES INDEVIDAS

Entre os entrevistados da pesquisa, 51% afirmaram ter flexibilidade moral baixa  com relação ao recebimento de gratificações indevidas.  Ou seja, a tolerância para a prática de dar ou receber presentes, hospitalidades ou pagamento de refeições fora dos critérios estabelecidos pelo empregador é mínima.

Já 48% disse ter flexibilidade média para a prática, enquanto 1% dos entrevistados se enquadrou na categoria de alta flexibilidade. Ou seja, 49% dos participantes sinalizaram que aceitariam ou pactuariam com esta prática.

 

DESCUIDOS PREJUDICIAIS

Ações que podem trazer malefícios para uma organização nem sempre acontecem de forma premeditada. “Costumamos achar que desvios éticos acontecem com pessoas ruins que calculam a chance de ser pegas e mensuram por quanto tempo serão punidas. Mas isso não explica nada,” exclamou Dan Ariely, professor de economia e psicologia comportamental da Universidade de Duke.

Erros e falhas de colaboradores ou de terceiros ocasionam inconveniências que podem fazer com que empresas fiquem marcadas com uma imagem danosa.

Os dados da consultoria ICTS Protiviti apontam que 28% dos avaliados tem baixa flexibilidade para ações não intencionais. Enquanto 71% das opiniões se concentra na faixa média de flexibilidade moral e 1% está na alta.

 

COMO CORRIGIR AÇÕES ANTIÉTICAS?

Os canais de denúncia  podem apontar o caminho para fortificação de uma cultura ética nas empresas. Outra sugestão é o investimento em treinamentos, criando condições para mudanças de atitudes dos colaboradores. Incluir situações do dia a dia com as quais o colaborador pode estar exposto, como ofertas de suborno, atitudes impróprias no trabalho ou pedidos ilícitos de favorecimento, podem ser simuladas em prol da extinção de práticas antiéticas.

“Não adianta nada ter um excelente piloto em um avião sem os equipamentos de navegação necessários, sem a manutenção apropriada, ou mesmo sem querosene.” Enfatizou Heloisa Macari, diretora executiva da ICTS Protiviti.