100 anos tecendo nossa história em sincronia com o desenvolvimento do Brasil

publicado 10/04/2019 08h00, última modificação 12/04/2019 11h16
São Paulo – Documentos históricos mostram como nascemos e nossa contribuição para o País
Amcham 100 anos.jpg

Amcham 100 anos

Bolsas de estudos para brasileiros, o primeiro festival de cinema, visita de Neil Armstrong ao Brasil, atuação significativa na criação de renomadas instituições de ensino (FGV/EAESP e Graded School), e apoio no desenvolvimento econômico do Brasil e da relação com os Estados Unidos são apenas algumas das ações concretizadas ao longo dos nossos 100 anos de existência.

Nossa história começou em 1919, com a criação da “Camara Americana de Commercio de São Paulo”. Fruto do empenho da The American Association of São Paulo (Associação Americana de São Paulo, em tradução livre), organização criada em 1917 por cidadãos americanos no Brasil, tínhamos como objetivo inicial defender assuntos de interesse desta comunidade.

A Câmara nasceu no contexto da Primeira Guerra Mundial. Com a eclosão do conflito na Europa, a Grã Bretanha – tradicional parceiro comercial do Brasil – passou a enfrentar dificuldades para produzir e exportar seus produtos, abrindo o mercado brasileiro para outras nações, como a nova referência política e econômica no cenário internacional: os Estados Unidos.

À época, os norte-americanos já eram o maior importador do principal produto brasileiro, o café, e com as consequências da guerra nos países europeus, investidores norte-americanos voltaram seu olhar para o Brasil, especialmente São Paulo, o maior produtor de café do País e em cuja capital a industrialização já dava seus primeiros e vigorosos passos.

Ao final da guerra, instituições financeiras, negociantes e indústrias americanas de peso já haviam se estabelecido no País. A comunidade de cidadãos norte-americanos no Brasil tornou-se, em pouco tempo, suficientemente grande e estruturada para se unir em torno de associações que olhassem para seus objetivos em comum.

É neste contexto que surgimos. A fim de facilitar o comércio bilateral, em 1919, fomos fundados por um pequeno, mas relevante grupo de empresas estabelecidas em São Paulo: General Electric Co, Singer Sewing Machine Co, Mackenzie College, National Citibank, Indústrias Matarazzo, Esso Brasileira de Petróleo, Goodyear Tire and Rubber Co, Brazaco-Mapri Indústria Metalúrgica, Lion S/A e Brazil Land and Cattle Packing Co.

PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

Uma instituição que segue em ativo e constante crescimento há 100 anos naturalmente carrega em seu DNA registros de transformações e adaptações antropológicas, sociais, geográficas e políticas. Fator que é possível devido aos períodos históricos pelos quais passa.

No ano de celebração do nosso centenário, convocamos as historiadoras Ana Ligabue e Soraya Moura, do Largo da Memória, para desenvolverem uma linha do tempo. Ana conta que ao iniciar o processo de constatação da história da organização se deparou com algo para além do imaginado: “Quando começamos a mexer nos documentos nos apaixonamos, porque a Câmara tem o que para nós é um patrimônio documental que ultrapassa o interesse próprio”.

Ana também ressaltou a importância desses documentos aqui arquivados: “sobre a história tanto das relações bilaterais Brasil-Estados Unidos como sobre a história econômica do país. Ali tem material inédito, em minha opinião.” A historiadora completou destacando momentos que ilustram a constatação.

“Temos como exemplo disso registros fotográficos de encontros de presidentes e primeiras visitas de personalidades importantes”, afirma Ana. Ela acrescenta que a atuação da Amcham vai além dos negócios e da política: “Também encontramos fatos pitorescos como a vinda de Neil Armstrong para Brasil pela Câmara, inclusive, antes de ir para a lua.”

Descubra muito mais sobre a nossa história em nosso Instagram e faça parte dessa celebração.