Brasil cai 6 posições no Índice Global de Inovação, de 2012 para 2013

publicado 29/10/2013 15h31, última modificação 29/10/2013 15h31
País ocupava a 58ª posição no ranking do ano passado e, nesse ano, caiu para a 64ª colocação
ranking-foto01.jpg-8280.html

O Brasil tem sido menos propício para a inovação, segundo o Índice Global de Inovação (GII, sua sigla en inglês), calculado pala Universidade Cornell em parceria com o INSEAD, uma das principais escolas de negócios da Europa, e a Organização Mundial para a Propriedade Intelectual (WIPO), ligada à ONU.

O índice considera mais de cem critérios que influenciam diretamente na capacidade do país em facilitar e incentivar a inovação, na busca de otimizar a forma de fazer negócios, viabilizando a sobrevivência do empreendimento num mercado cada vez mais competitivo e desafiador.

Os critérios envolvem ambiente de negócios, custos, carga tributária, estabilidade política, educação, facilidade na abertura de empresas, infraestrutura, tecnologia, produção e consumo de energia, formação de capital, investimento, sustentabilidade, competitividade, criatividade, registro de marcas e patentes, entre outros, em mais de 140 países.

Para cada um dos 116 critérios há um ranking independente. Todos os critérios, depois de ponderados, darão origem ao índice geral. No item infraestrutura, por exemplo, o Brasil ocupa a 51º colocação, entre 142 países. Nesse critério, estamos à frente de países como a Argentina (68º), México (57º), Índia (89º), porém ficamos atrás de Chipre (46), Bahrein (45º), Chile (40º) e Colômbia (36º), para falar somente de países em desenvolvimento.

CLIQUE aqui para ter acesso ao relatório completo do Índice Global de Inovação

Em 2012, no ranking geral, o Brasil ficou na 58ª posição. Em 2013,  fomos ultrapassados por Colômbia, Grécia, Armênia, Macedônia, entre outros e passamos a ocupar o 64º lugar.

Curiosamente, no ranking de Ambiente de Negócios divulgado em 28 de outubro pelo Banco Mundial, o Brasil subiu 14 posições, indo do 130º lugar que ocupava no ano passado para a 116ª colocação entre 189 países, e está entre os dez países que mais posições ganharam neste ranking que mede a facilidade de se fazer negócios.

Leia aqui o relatório integral sobre o ambiente de negócios em diversos países do mundo.

registrado em: