Desenvolvimento de lideranças deve priorizar fortalecimento dos pontos fortes

por marcel_gugoni — publicado 01/08/2012 09h01, última modificação 01/08/2012 09h01
São Paulo – Papel de coach ajuda líder a usar bem esses atributos e dosá-los na tomada de decisão e na execução de tarefas da empresa.
anearaujo195.jpg

Fortalecer os pontos fracos é mote para grande parte dos profissionais que buscam crescer na carreira. Mas a frase esconde uma tarefa complexa e, muitas vezes, quase impossível. Na verdade, cada indivíduo deveria prezar pelo desenvolvimento de seus pontos fortes porque é isso que o diferenciará no mercado, ensina a especialista em desenvolvimento de pessoas e coach profissional Ane Araujo, da Marcondes Consultoria.

Veja aqui quais são as vantagens de ser sócio da Amcham

“Quando falamos de desenvolvimento, a abordagem não deve ser fortalecer os pontos fracos, mas os fortes. Ficar tentando equilibrar estes dois aspectos dá a impressão de que qualquer um pode fazer tudo de forma eficiente”, afirma Ane, que é psicóloga por formação e atua na área há 35 anos. “Isso é um erro porque ninguém é bom em absolutamente tudo o que faz.”

A carreira, como a vida, é feita de escolhas a partir de afinidades individuais. Se o profissional de finanças é bom com números, decerto tropeça na produção de textos, assim como a pessoa que tem maior empatia e inteligência emocional sabe lidar melhor com pessoas, mas dificilmente resolverá questões lógicas de forma fácil.

Quer participar dos eventos da Amcham? Saiba como se associar aqui

“O papel do coach é ajudar a pessoa a usar bem seus pontos fortes e dosá-los na tomada de decisão e na execução de tarefas em uma empresa”, explicou ela a uma plateia de executivos, diretores e gestores que participaram do Café de Relacionamento da Amcham-São Paulo, realizado nesta terça-feira (31/07). A palestra faz parte de uma atividade mensal para receber novos sócios em um evento de networking e integração ao ambiente da Amcham.

Leia mais: Empresa tem que promover autoconhecimento dos jovens profissionais, analisam especialistas de RH

“Sabemos que ser líder não é fácil porque suas decisões têm impacto na organização e nas pessoas. Na essência, o papel do líder é criar relações, construir confiança, compreender as pessoas para que elas se sintam felizes em fazer parte daquela equipe e tenham orgulho de suas tarefas”. É uma relação liga a propor e assumir desafios em busca do crescimento de todos.

Hora do coach

Ao contrário do que prega o significado do termo coach (técnico ou treinador, em inglês), a tarefa não treinar ou direcionar ninguém, mas incentivar a reflexão profissional e apoiar as decisões. “O coach não dá diretriz, e sim ajuda a achar o próprio caminho”, conta.

Veja também: Empresa deve definir metas antes de buscar liderança em jovens talentos

A diferença é sutil: uma equipe com chefe conservador, pouco desenvolvido para o posto, executa as tarefas que ele manda; a que tem um líder coach é instada a achar as formas mais produtivas de executar o próprio trabalho. “É uma mudança de paradigmas.”

Mas, quando saber qual a hora certa para encontrar este profissional de apoio? O momento certo de se apoiar no trabalho do coaching é quando o profissional percebe que precisa de suporte. “Quando ela vê que não está conseguindo se orientar sozinha, de forma rápida, com seus próprios recursos e de forma produtiva, essas são oportunidades para o coaching”, explica.

Leia também: Empresas têm que desengessar gestão e colocar seus valores em prática, ensina especialista em RH

“Outra ocasião ocorre quando se está diante de um desafio muito grande e o profissional percebe que não está pronto para dar o salto. Imagine o caso de um executivo expatriado, que viaja sem suporte nenhum da família. Esse é um exemplo clássico.”

Ouvir o outro

Em sua experiência de recursos humanos em multinacionais, Ane diz que o profissional que costuma necessitar do coach é aquele que está derrapando em suas decisões. “Nestas horas, todo mundo precisa de alguém para compartilhar experiências e que possa ajudar a avaliar melhores caminhos. Há algumas pessoas que já pedem esse tipo de apoio para avaliar em que situações vai mal.”

É como a opinião de um grande amigo, resume ela. “Em muitos casos, a demanda [por melhoria do ambiente organizacional ou pela definição de tarefas da equipe] vem dos pares e subordinados”, sintetiza. “Quando há humildade suficiente para receber a influência dos outros e aceitar orientações e sugestões, isso pode salvar a carreira. Há muitos que não têm essa humildade.”

Veja mais: Vendedor precisa conhecer mais de gente, prega especialista

“Às vezes, a falta de preparo do líder é tanta que a necessidade do coaching vem pela dor: ela tem que acabar sendo demitida e ficar procurando emprego durante um ano ou dois para depois ver que precisa de ajuda. É importante saber ler os sinais – e o coach pode ajudar.”

Em grandes empresas, os cargos de altos executivos vêm com o bônus do coaching incluso. “Coaching executivo é caro e, para cargos altos, é investimento estratégico essencial da empresa”, analisa. “Então não dá para oferecer para toda a organização.”

O ideal é apoiar o desenvolvimento de líderes coach às demais áreas. “O que ele faz é um efeito cascata ao escolher dois ou três profissionais, que são seus prováveis backups, orientando e disseminando estas boas práticas aos demais”, ensina. “Vai chegar uma hora em que todo mundo será responsável um pelo outro. Usando um exemplo familiar, é o caso do filho mais velho que vira um tipo de coach dos irmãos, ajudando-os a resolver pendências e ensinando o caminho das pedras.”

Desafios

Ane explica que as relações do dia a dia das empresas estão marcadas cada vez mais por incertezas e ambiguidades. Tomar decisões em cenários como este, de tamanha complexidade e volatilidade de opiniões, é cada vez mais difícil. “Estamos na era da hipermudança e temos que saber como reagir a isto”, prega.

Veja também: Vendedor precisa de disciplina e planejamento minucioso, ensina José Luis Tejon

Para ela, os desafios do coach determinam a dificuldade da tarefa. “Nem sempre os gestores estão prontos para o cargo ou gostam de receber feedbacks. Esses dilemas existem em qualquer área de atuação e nível hierárquico. O trabalho aqui é o de facilitar a abertura de cada a novos aprendizados.”

O líder que aprende a ouvir a equipe caminha junto do grupo e mantém o time motivado. É como em um jogo de futebol em que o time precisa do técnico e vice-versa: o chefe que tem um coaching para orientar as melhorias é capaz de entrar em campo para vencer. “Tem muita gente que é chefe, mas não é líder. Sem isso, a equipe fica sem apoio e desmotivada.”

Leia mais: Coaching permite desenvolver rapidamente aptidões comportamentais

E nenhuma empresa quer perder o jogo por falta de vontade do time e do técnico. “O líder coach é aquele que desenvolve o espírito vencedor dentro de si e dos outros”, conclui.

registrado em: