Enquetes da Amcham sobre diversidade e comércio exterior tiveram destaque em 2016

publicado 09/01/2017 15h04, última modificação 09/01/2017 15h04
São Paulo – Centenas de executivos opinaram sobre temas que estiveram em evidência no ano que passou
enquetes-pic01.jpg-8213.html

Em 2016, temas como diversidade, comércio exterior e inovação reuniram centenas de executivos na Amcham – São Paulo, gerando debates e opiniões que repercutiram na imprensa ao longo do ano. A enquete sobre igualdade de gênero nas empresas, por exemplo, deu origem a uma série de reportagens nos principais veículos de imprensa do Brasil, assim como o impacto do Brexit (saída do Reino Unido do bloco europeu).

Veja abaixo algumas enquetes realizadas pela Amcham no ano passado:

Empresas ainda estão distantes da equidade de gênero

As empresas avançaram pouco na promoção da igualdade de gêneros, de acordo com uma enquete sobre o tema realizada na Amcham – São Paulo em outubro. Dos 350 diretores e executivos entrevistados, 266 deles (76%) não acham que as empresas tratam homens e mulheres de forma igualitária na estrutura organizacional e de gestão. Só 24% deles consideraram satisfatória a condução do tema nas organizações.

Para promover a equidade de gênero, três aspectos foram considerados prioritários: o financeiro (47%), igualando salários e benefícios, o de recursos humanos (30%), aumentando o número de mulheres entre os funcionários, e o jurídico (23%), padronizando direitos e benefícios entre os gêneros.

 A retomada do mercado de eventos

O mercado de eventos deve começar o ano de 2017 melhor do que o ano passado, na opinião de 86 empresários que participaram de uma enquete na Amcham em setembro. Desse total, 65% acreditam em retomada dos investimentos ainda no primeiro trimestre. Para os promotores, quatro setores devem liderar a recuperação: saúde e farmacêutica (35%), comunicação e marketing (29%), varejo (21%) e tecnologia (14%).

A interatividade entre marcas e públicos através de tecnologias e aplicativos é um formato que deve ser mais explorado no ano, de acordo com 67% dos respondentes. Além de novos formatos, 79% dos realizadores apontam que os eventos de “experiência” serão outra tendência forte.

Impacto do Brexit para o Brasil

O Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) terá impacto neutro nos negócios, de acordo com 72 empresários (64%) que participaram do evento sobre o assunto em julho. Para 43% deles, a decisão dos britânicos de deixar o bloco europeu vai provocar instabilidade em curto prazo, seguida de manutenção do cenário atual. Outros 21% opinaram que o processo terá baixo impacto nas operações brasileiras.

No entanto, a maioria (54%) dos consultados consideram que um efeito positivo para os negócios é a possibilidade de maior relacionamento comercial Brasil-Reino Unido em virtude de possíveis acordos bilaterais, especialmente para a cadeia agrícola.

 Acordo comercial Brasil – EUA

O setor privado se mostrou favorável a um acordo amplo de comércio com os Estados Unidos. Na sondagem da Amcham realizada em maio com 90 empresários, 60% deles considerou a parceria vantajosa para os negócios. Outros 34% avaliaram que um acordo com a União Europeia seria mais importante.

Mesmo com o Brasil tendo poucos tratados preferenciais no mundo, 57% dos empresários informaram que se beneficiam dos acordos existentes e 71% viram com otimismo o surgimento de Acordos de Cooperação e Facilitação de investimentos (ACFIs) para acessar mercados, como a África e Ásia. Além disso, 19% informaram já ter se beneficiado do mecanismo.

Desenvolvendo inovação

Para 69% dos executivos que participaram do lançamento do Programa +Competitividade da Amcham – Brasil em abril, a desburocratização de processos internos e externos é a ação que traria maior impacto ao desenvolvimento da inovação no Brasil. Os 100 empresários presentes também apontaram o maior incentivo às startups (13%) e realização de parcerias entre universidades e empresas (13%) como iniciativas importantes.

Na enquete, 65% das empresas admitiram ter reduzido os investimentos em inovação em função da crise econômica e política. Desse universo, 39% afirmaram que os projetos inovadores serão retomados com a melhora da economia e 26% não tem previsão de retomada no curto prazo.

registrado em: