Brasil e EUA assinam acordo para desburocratizar comércio

publicado 20/03/2015 14h02, última modificação 20/03/2015 14h02
São Paulo – A Amcham apoiou a construção do memorando e das propostas apresentadas pelo Ministro Armando Monteiro em visita à Washington
ministro-armando-monteiro-5372.html

O Brasil e Estados Unidos selaram ontem (19) um memorando de facilitação de comércio com o objetivo de harmonizar as regras e desburocratizar as relações de exportação e importação. A Amcham apoiou a construção do acordo e a elaboração das propostas de facilitação comércio bilateral apresentadas pelo ministro Armando Monteiro em visita oficial à Washington, em fevereiro. 

 O ACORDO

Os dois países vão identificar setores promissores e negociar a convergência dos produtos brasileiros para padrões americanos. O primeiro esforço será feito no setor de cerâmica. Representantes do setor privado americano e brasileiro já firmaram um protocolo.

"A convergência regulatória é mais importante para exportar para os americanos do que a redução de tarifas de importação, que, em média, são de apenas 3,5% para produtos manufaturados", disse Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento.

 Nos dias 11 e 12 de fevereiro, Monteiro esteve nos EUA – sua primeira viagem internacional à frente do MDIC. O CEO da Amcham, Gabriel Rico, integrou a delegação e participou do almoço do Ministro na US Chamber, e ressaltou que “há anos” não havia uma demonstração dessa disposição de focar prioritariamente a relação comercial entre Brasil e Estados Unidos.

Com a retomada do crescimento da economia americana, o país é visto com uma oportunidade para elevar as exportações brasileiras.

Os dois países estão tentando estreitar as relações econômicas após um longo período de estagnação. Um acordo de livre comércio, no entanto, é praticamente descartado por falta de condições políticas.

O memorando de facilitação de comércio foi assinado em Washington pelo secretário de Comércio Exterior do Brasil, Daniel Godinho, e seu colega americano, Kenneth Hyatt. O Inmetro, que regula os produtos brasileiros, também participou da visita. 

registrado em: ,