Eleições nos EUA: debate entre Trump e Biden fez democrata crescer nas redes sociais

publicado 07/10/2020 17h55, última modificação 08/10/2020 11h00
Brasil - Biden cresceu 10,6% sua base de seguidores em 15 dias; veja outros dados sobre a disputa eleitoral
Na tração, Biden se aproximou de Trump e superou em muito o atual presidente no número de interações por posts.jpg

Na tração, Biden se aproximou de Trump e superou em muito o atual presidente no número de interações por posts

O resultado da disputa eleitoral da maior potência mundial influenciará de maneira determinante os contornos políticos e econômicos do mundo nos próximos anos: a disputa entre Trump e Biden para a presidência dos Estados Unidos está nos holofotes mundiais. As eleições nos EUA em 2020 serão fortemente influenciadas, mais uma vez, pelas redes sociais, especialmente em um contexto de isolamento social. Olhar e conversar sobre a corrida eleitoral do ponto de vista digital pode fornecer insights interessantes sobre quem pode vencer. 

Essa é a proposta da parceria entre nós e a Bites, consultoria de análise de dados. Em relatórios divulgados em nosso site, analisará a atuação dos candidatos nas redes sociais em diferentes períodos de junho a novembro. 

Na página oficial voltada para a corrida presidencial norte-americana, você encontrará os principais dados de performance dos candidatos Donald Trump e Joe Biden até o dia da eleição, marcada para novembro. Falamos em tração, menções, total de seguidores nas páginas oficiais, publicações com maior engajamento, palavras mais citadas e uma análise exclusiva sobre a disputa. 

 

O QUE MUDOU APÓS O PRIMEIRO DEBATE PRESIDENCIAL

As redes sociais confirmam o que já indicavam as pesquisas: o democrata venceu, com folga, o debate e conseguiu seu maior crescimento na base de seguidores nos dias seguintes ao encontro. Ele aumentou em 10,6% sua base de seguidores entre os dias 21/09 a 05/10, sendo impulsionado sobretudo pelo debate. Em termos absolutos, ele também vinha vencendo Trump nos dias seguintes ao debate. Além disso, enquanto Trump ficou associado a supremacistas brancos, por não ter conseguido responder ao pedido para que condenasse esse grupo, Biden foi associado a termos mais neutros ou positivos. 

Na tração – ou seja, a capacidade de um agente movimentar a internet – Biden se aproximou de Trump e superou em muito o atual presidente no número de interações por posts - o democrata atingiu 30%, enquanto Donald Trump está com 70% nos últimos 15 dias. Houve um crescimento de 6% em relação aos últimos meses (13/06 a 20/09). 

 

TRUMP, COVID-19 E AS REDES

Mesmo se aproximando da tração do atual presidente e até superando-o em no número de interações por post (218,8 mil contra 119,4 mil interações por post), o anúncio de que Trump está com Covid-19 mudou o jogo. Trump voltou a recuperar seu crescimento. Bateu Biden em volume de novos seguidores nos últimos 15 dias e tomou de volta a atenção do público para si – e gerou tanto interações positivas quanto negativas. 

 

INTERAÇÕES E POSTAGENS

A primeira diferença entre o atual presidente e seu adversário, Joe Biden, é que o presidente é uma máquina de publicar posts em redes sociais. O número gigantesco de interações de Trump se explica, em parte, por uma atividade absurdamente acima do comum – só no Twitter, são 33 por dia. De 13/06 a 20/09, Trump publicou o triplo de Biden. Ou seja: Trump larga de uma base muito maior de seguidores, o que se justifica por estar no cargo mais importante do mundo e usar as redes como nunca ninguém fez antes, mas também consegue muitas interações por publicar muito mais que Biden. Em junho, no início das medições, Trump alcançava 10.785 interações por post contra 6.634 de Biden. Depois do debate, Biden superou em muito o presidente: foram 218,8 mil interações por post contra 119,4 mil interações por post de Trump.

 

BRASIL X ESTADOS UNIDOS

Além da disputa digital, acompanharemos o que os brasileiros estão falando sobre os Estados Unidos e vice-versa: as principais notícias que tiveram grande alcance nas redes sociais e uma nuvem de palavras com as principais menções em sites de notícias, blogs, Twitter e fóruns. 

Para acompanhar as análises, clique aqui.