Estados Unidos querem dialogar com governo brasileiro sobre parcerias em infraestrutura

por andre_inohara — publicado 28/03/2012 16h58, última modificação 28/03/2012 16h58
André Inohara
São Paulo – Autoridades do Departamento de Estado e de Transportes dos EUA vieram ao Brasil para tratar da possibilidade de empresas americanas aumentarem a participação em PPPs.
susankurland.jpg

Entre as empresas multinacionais que tocam as obras de melhoria da infraestrutura brasileira para a Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016 no Brasil, há muitas companhias europeias e chinesas, mas poucas americanas. A partir de sua experiência e tecnologia de sobra para viabilizar grandes eventos mundiais, os Estados Unidos desejam uma participação maior de suas empresas nesse processo.

“Há grandes oportunidades abertas no Brasil e não se veem companhias americanas nos grandes projetos, exceto como fornecedoras”, lamentou Susan Kurland, secretária-adjunta do Departamento de Transportes dos Estados Unidos. “Queremos nos reunir com os representantes do governo brasileiro e dialogar a respeito de como podemos ajudar a mudar isso."

A secretária está no Brasil com a missão de ampliar o diálogo com o governo brasileiro a respeito de como as empresas americanas podem trabalhar mais intensamente em projetos de Parcerias Público-Privadas (PPP).

Em São Paulo, Susan esteve na Amcham nesta quarta-feira (28/03), junto com a representante especial de Assuntos Intragovernamentais Globais do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Reta Jo Lewis, para debater com o setor privado brasileiro as possibilidades de se trabalhar conjuntamente nos projetos de PPPs. “As PPPs são muito efetivas e temos uma grande oportunidade para focarmos questões regulatórias e empresariais”, observa a secretária.

As empresas americanas podem não só participar dos projetos de mobilidade urbana, como também prestar assessoria técnica. “Creio que há oportunidades em todas as áreas para nossas empresas. Também podemos contribuir com sistemas inteligentes de transportes, desenvolvimento de capacidade logística e participar de projetos nos setores marítimo e rodoviário.”

No Departamento de Transportes, a função de Susan é implantar políticas de competitividade econômica do setor de transporte aéreo, e coordenar as relações internacionais do Departamento.

Projetos potenciais ligados a Copa e Olimpíadas

A representante especial de Assuntos Intragovernamentais Globais dos Estados Unidos, Reta Jo Lewis, disse que seu país tem muito a contribuir na questão de transportes. “Estive em cidades que vão sediar eventos da Copa de 2014 como Recife (PE), Natal (RN), Fortaleza (CE), Salvador (BA) e São Paulo (SP), e pude constatar que a mobilidade urbana é uma das maiores preocupações, mais do que a construção de estádios.”

Entre os lugares que visitou, Reta Jo disse que as autoridades locais se mostraram bastante receptivas à participação de empresas americanas nos empreendimentos de infraestrutura, e que o momento é favorável ao estreitamento de relações comerciais bilaterais.

Nesse contexto, muitas oportunidades deverão ser criadas a partir da visita que a prefeita de Houston, Annise Parker, fez ao Brasil no ínicio da semana (em 26/03), e a viagem da presidente Dilma Rousseff, fará aos Estados Unidos entre 09 e 13 de abril.

“Houston já sediou grandes eventos esportivos, assim como outras cidades americanas que poderiam vir ao Brasil contar suas experiências”, comenta.

Os investimentos que as companhias americanas poderiam fazer no Brasil são de longo prazo, ressalta Reta Jo. Segundo a representante, trata-se de aportes que se estenderiam para depois da Copa e das Olimpíadas.

Leia notícias relacionadas:

 

Cidade de Houston quer atrair investidores com infraestrutura logística e tecnológica

Governo dos EUA anuncia programa para agilizar entrada de brasileiros

Universidade americana adere ao programa Ciência sem Fronteiras e vai receber até 15 estudantes brasileiros neste ano

registrado em: