Israel quer triplicar comércio com o Brasil, segundo chefe de missão econômica israelense no País

por marcel_gugoni — publicado 28/06/2012 12h38, última modificação 28/06/2012 12h38
São Paulo – Para Roy Nir, as duas nações têm pautas de exportação complementares e negócios bilaterais podem ir muito além.
nir195.jpg

Desde a visita do presidente Lula a Israel, em 2007, o país tem como meta triplicar o comércio com o Brasil até 2014. Nessa época, começaram as negociações do acordo de livre comércio de Israel com o Mercosul, que entrou em vigor gradualmente a partir de 2010.

Quer participar dos eventos da Amcham? Saiba como se associar aqui

A negociação foi com o bloco, mas o principal interesse está no Brasil, o país mais importante da América Latina para o comércio exterior israelense, como define o chefe de missão econômica israelense no Brasil, Roy Nir. Ele avalia que ambos os países têm uma pauta de produtos complementares e que a relação comercial bilateral pode ir muito além.

Veja mais: Com Rodada Doha suspensa, Brasil sinaliza abertura para avaliar novos acordos

Nir foi o articulador do tratado de Israel com o Mercosul e participou nesta quarta-feira (27/06) do comitê aberto de Comércio Exterior da Amcham-São Paulo, que debateu “o papel dos acordos comerciais no comércio exterior brasileiro”.

Veja aqui quais são as vantagens de ser sócio da Amcham

Pelos dados do Ministério da Indústria, Comércio e Trabalho de Israel, as exportações de Israel para o Mercosul aumentaram 35% entre 2009 e 2011, chegando a bater na casa de US$ 1,7 bilhão, número menor somente do que o pico de 2008, de US$ 1,9 bi.

Em 2011, diz Nir, mais de 700 empresas israelenses exportaram para o Brasil, um crescimento de 37% na comparação com o número verificado em 2007. Mas o interesse do Brasil por Israel não tem sido proporcional. Isso por “desconhecimento do mercado israelense, que é pequeno, mas rico”. Os 8 milhões de habitantes possuem uma renda per capita média de US$ 30,2 mil.

Veja também: Baixa poupança interna deixa investimentos brasileiros dependentes do exterior

Veja os principais trechos da entrevista com Roy Nir:

Amcham: Como olhar para o comércio entre Brasil e Israel, tendo em vista que Israel exporta para o Brasil muito mais do que importa?

Roy Nir: É um fluxo importante em que quase não há barreiras comerciais. Essa questão de Israel exportar para o Brasil muito mais do que as empresas brasileiras exportam para os israelenses é mais uma questão de conhecimento, não de barreiras. Os israelenses conhecem muito bem o Brasil e muitas empresas de lá querem exportar para cá. No Brasil, por sua vez, ainda não há tanto conhecimento sobre o mercado israelense, e os exportadores [brasileiros] preferem mandar seus produtos para outros mercados do que mandar para Israel, que tem um mercado pequeno, de 8 milhões de pessoas, mas com uma renda per capita muito alta, de quase US$ 30,2 mil. Além disso, por sermos pequenos, importamos quase tudo, em quase todos os setores. Isso é o que torna nosso mercado interessante. Creio que o exportador brasileiro não entendeu o potencial desse mercado. É um mercado pequeno, mas muito rico. O comércio com o Brasil tem muito potencial porque hoje gira na casa de US$ 1 bilhão de exportação israelense [para o Mercosul], dentro de US$ 63 bilhões de exportações que fazemos ao mundo. O que estamos tentando é trazer o conhecimento do nosso mercado ao exportador brasileiro.

Amcham: Como fazer com que as empresas conheçam melhor a economia israelense?

Roy Nir: É preciso apoio entre nós e o governo brasileiro, com a realização de seminários de divulgação. Em Israel, o governo divulga o mercado daqui para ajudar as empresas exportadoras a entrarem no Brasil. Vale a pena fazer o caminho contrário. O importante é incentivar a exportação brasileira a Israel. Entre 2010 e 2011, quando o acordo [de livre-comércio entre o Mercosul e Israel] entrou em vigor, as exportações passaram a entrar no mercado israelense com alíquota quase zero, mas não vimos o contrário acontecer porque o exportador israelense não goza de todos os efeitos do acordo.

Veja também: CEOs debatem medidas para aumentar competitividade e comércio exterior

Amcham: Quais os atrativos para os exportadores brasileiros?

Roy Nir: Israel tem uma rede de acordos de livre-comércio com muitos países do mundo, inclusive com a União Europeia e os Estados Unidos. O Brasil ainda não tem uma rede tão ampla. Uma das saídas é o empresário brasileiro construir fábricas conjuntas com companhias israelenses, em Israel, para produzir com insumo brasileiro e exportar a partir das regras de origem dos nossos parceiros com ganhos para os dois países. É uma forma de gozar dos nossos benefícios de acordos com nossa rede, que tem alíquota zero.  Além de fazer de Israel uma ponte para exportação aos EUA e à União Europeia, o Brasil também poderia ser um centro de comércio das nossas exportações, como um hub, servindo todos os países do Mercosul e outros com que o Brasil tem acordos comerciais. Ainda não há nada concreto, mas é uma ideia de parceria.

Amcham: O crescimento econômico dos dois países tem mostrado uma situação interna melhor do que a visto na Europa e nos EUA. Brasil e Israel têm passado ao largo da crise?

Roy Nir: Não é que não sejamos afetados pela crise. Fomos, sim, de alguma forma, atingidos, mas de uma maneira mais leve. Estamos mais ou menos na mesma situação e os dois países vão crescer neste ano. Esse crescimento é um incentivo para que também aumentemos o volume de comércio. O comércio entre os dois países teve um crescimento até 2008 e caiu com a crise, mas se recuperou rápido. Em 2012, devemos chegar ao pico de 2008 e, nos próximos anos, vamos ultrapassá-lo, com certeza. Desde a visita do presidente Lula [Luiz Inácio Lula da Silva, 2003-2010] a Israel, em 2007, nossa meta é a de triplicar o comércio bilateral até 2014.

registrado em: