O GLOBO: “Dilma decide apostar nos EUA em recuperação”

publicado 09/03/2015 10h12, última modificação 09/03/2015 10h12
São Paulo – “Empresários brasileiros e americanos veem com bons olhos essa aproximação”, aponta o CEO da Amcham na reportagem
recuperacao-foto01.jpg-5058.html

Edição de hoje do jornal o Globo destaca virada política externa brasileira desviando o foco da cooperação Sul-Sul para dar prioridade  ao fortalecimento das relações comerciais com os Estados Unidos.

O CEO da Amcham, Gabriel Rico, afirma que os empresários brasileiros e americanos veem com bons olhos essa aproximação.

Leia matéria completa:  

O GLOBO: “Dilma decide apostar nos EUA em recuperação”

Presidente desvia foco da cooperação Sul-Sul para aumentar o comércio bilateral em até 50%

POR ELIANE OLIVEIRA

BRASÍLIA — Sem alarde, o governo Dilma Rousseff, em seu segundo mandato, deu uma virada em sua política externa que há muito não se via, ou melhor, desde que seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, lançou, em 2003, a modalidade Sul-Sul, com foco nas relações do Brasil com nações pobres e emergentes do Hemisfério Sul: a total prioridade ao fortalecimento das relações comerciais com os Estados Unidos.

A recuperação da economia americana é vista como salvação para a balança de manufaturados. A estimativa é que existe um potencial de, no mínimo, 50% a mais no fluxo bilateral, ou seja, cerca de US$ 30 bilhões por ano, somente com os acordos que já começaram a ser negociados no mês passado, quando o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, visitou Washington.

— Os EUA são um mercado importantíssimo para o Brasil. Estamos definindo uma agenda de curto prazo, com resultados concretos — disse Monteiro.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também foi aos EUA no mês passado para acalmar investidores. Na última semana, foi a vez de o secretário adjunto do Departamento de Comércio dos EUA para a Gestão de Exportações, Kevin Wolf, vir ao Brasil para explicar a governo e empresários como comercializar produtos controlados para o mercado americano.

Visita da presidente em breve

O Plano Nacional de Exportação que será anunciado nos próximos dias trará os mercados prioritários para negociações de acordos comerciais, e os EUA ganharão papel de destaque. É consenso entre governo e setor privado que, se no passado as tarifas elevadas eram problema, agora os principais obstáculos são as divergências regulatórias.

— Empresários brasileiros e americanos veem com bons olhos essa aproximação. O trabalho pavimenta o caminho para se construir uma agenda relevante para a provável visita de Dilma aos EUA no segundo semestre, ou em 2016 — disse o presidente da Câmara de Comércio Brasil-EUA, Gabriel Rico, destacando o esforço brasileiro para reduzir a burocracia.

A agenda bilateral de hoje tem como elementos centrais ações voltadas à facilitação de comércio e à convergência regulatória entre os dois países — e o que for acertado poderá, ainda, servir de base para o comércio do Brasil com outros mercados, como União Europeia e China.

A balança comercial indica que os EUA estão recuperando a primeira posição como comprador de produtos brasileiros. Enquanto as vendas para a China caíram mais de 40%, os embarques para o mercado americano subiram cerca de 10%. Por outro lado, o Brasil representa, hoje, menos de 2% do comércio internacional dos EUA.

— A recuperação dos EUA o coloca como um dos principais alvos para a exportação de commodities e produtos nacionais. No que se refere à importação, trata-se de uma excelente oportunidade para investir em alta tecnologia e renovar o parque industrial — observou Michelle Fernandes, diretora logística da Next Global, empresa especializada em comércio exterior.

 

registrado em: ,