Para cônsul americano interino, queda no tempo de processamento de vistos em São Paulo é primeiro passo para aumentar fluxo de turistas brasileiros nos EUA

por andre_inohara — publicado 04/07/2012 16h15, última modificação 04/07/2012 16h15
São Paulo – William Popp volta a Washington para dar sequência à sua carreira diplomática e aprofundar conhecimentos de política internacional; Dennis Hankins, novo cônsul, assume representação americana em São Paulo a partir de agosto.
img_2540.jpg

Depois de três anos de serviço diplomático no exterior, o cônsul-geral interino dos EUA em São Paulo, William Popp, voltará a Washington nesta quinta-feira (05/07) para aprofundar seus conhecimentos de política internacional e aguardar uma nova designação.

“Estou partindo com muitas saudades do Brasil e de todas as amizades que fiz, mas confiante no futuro compartilhado entre Brasil e Estados Unidos”, pontuou o representante consular, durante a comemoração antecipada do aniversário de independência americana na última segunda-feira (02/07) na Amcham-São Paulo. A maior data cívica americana é celebrada nesta quarta-feira (04/07), dia em que os Estados Unidos completam 236 anos de independência.

Veja aqui: EUA reafirmam importância da parceria com o Brasil durante comemoração da independência americana

Para Popp, a melhora no atendimento e processamento de vistos foi um fato ‘inédito’ no período em que serviu em São Paulo. “Temos uma situação inédita hoje, em que o tempo de agendamento de entrevistas caiu para um dia. Há um ano, a espera era de mais de 130 dias”, compara o cônsul.

Veja aqui: Estados Unidos anunciam abertura de dois novos consulados no Brasil

O diplomata disse que esse é o primeiro passo para promover mais os EUA como destino de negócios, turismo e educação junto aos brasileiros. No Brasil desde 2009, Popp ocupou o posto de chefe da Seção Econômica e Política do Consulado de São Paulo. Em agosto de 2011, passou a atuar como cônsul interino.

De acordo com o consulado, o número de brasileiros que foi aos EUA a passeio ou negócios em 2011 somou 1,5 milhão, uma evolução de 68,4% em relação aos 892 mil visitantes de 2009.

No ano passado, o volume total de emissão de vistos para os Estados Unidos chegou a 950 mil, sendo que a maior parte foi concedida pelo consulado de São Paulo. O total do ano passado chegou perto do recorde de emissões de 1998, quando foram concedidos 960 mil vistos.

Veja aqui: Secretário do Interior dos EUA diz que seu governo trabalha para facilitar a entrada de turistas brasileiros

Governo dos EUA anuncia programa para agilizar entrada de brasileiros

O governo americano designou o diplomata Dennis Hankins como novo cônsul geral em São Paulo. Atualmente, Hankins chefia o corpo consular americano no Sudão e deve se apresentar para o posto a partir de agosto.

Leia abaixo a última entrevista de Popp ao site da Amcham:

Amcham: Que balanço o sr. faz de sua gestão à frente do consulado americano em São Paulo?

William Popp: Creio que é muito positivo. Vi muitas mudanças nos meus três anos de serviço, como o crescimento da relação entre os dois países sob várias formas. Há mais gente visitando os EUA e o Brasil simultaneamente, mais comércio, investimentos e contatos entre pessoas que querem aprender inglês e português. O balanço é muito positivo para o futuro, uma vez que as duas maiores democracias do hemisfério ocidental estão colaborando mais em termos econômicos, políticos e sociais.

Amcham: No período em que o sr. esteve no Brasil, houve avanço na facilitação de vistos e visitação. O que mais está sendo feito para aumentar esse fluxo?

William Popp: Temos hoje uma situação inédita. Estamos agendando entrevistas para a concessão de vistos para o dia seguinte. Não se compara com o tempo de espera de um ano atrás, que era de mais de 130 dias. Obviamente, esse é o primeiro passo. Queremos promover os EUA como destino de negócios, turismo, educação e estimular a colaboração com o Brasil para que mais americanos venham aqui e trabalhem em conjunto com instituições brasileiras como a Amcham.

Amcham: Existe um cenário de incerteza com a crise europeia. Isso pode afetar a relação Brasil-EUA?

William Popp: Em longo prazo, o prognóstico é muito positivo. Qualquer economia passa por períodos de baixo crescimento, mas há muitas razões para confiar no crescimento da relação Brasil-EUA. Entre eles, o crescimento da economia brasileira com os eventos esportivos dos próximos anos (Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas em 2016), o desenvolvimento dos recursos energéticos e os investimentos em infraestrutura.

Amcham: Depois de cumprir suas funções no consulado, quais os planos do sr. para o futuro?

William Popp: Voltarei a Washington e permanecerei por lá o resto do ano. Farei cursos de formação nos Departamentos de Estado e Defesa, cujo programa é voltado para diplomatas de alto nível e inclui o aperfeiçoamento de conhecimentos em política internacional. Depois do término dos cursos, espero voltar ao exterior.

registrado em: