Gilberto Kassab: “situação das patentes no Brasil é lamentável e emperra desenvolvimento”

publicado 25/11/2016 15h14, última modificação 25/11/2016 15h14
São Paulo – Ministro participou do Fórum de Inovação com Embraer, Microsoft, Algar, Cielo, Embrapii, Inseed, Cesar, BNDES e Finep
gilberto-kassab-7450.html

“Precisamos revolucionar a questão das patentes. Hoje é lamentável a situação, em que uma patente demora 10, 12 anos para ser aprovada. É algo que emperra nosso desenvolvimento”, avaliou Gilberto Kassab, Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O ministro esclareceu que falava como cidadão, já que o INPI, que concede patentes, não é da alçada de seu ministério. Ele participou do 8º Fórum de Inovação da Amcham – São Paulo, que aconteceu na sexta-feira (25/11). Cerca de 200 empresários acompanharam os debates. Confira os destaques:

Gilberto Kassab, Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
“Precisamos revolucionar a questão das patentes. Hoje é lamentável a situação, em que uma patente demora 10, 12 anos para ser aprovada. É algo que emperra nosso desenvolvimento”
“Nós, brasileiros, às vezes não percebemos o quanto temos de positivo no campo da inovação do nosso lado, na nossa rotina”
“Inovação não é só recurso, é política pública que faça a integração entre governo e sociedade civil”
“Temos que ter a consciência que não vamos retomar o desenvolvimento do país se não trabalharmos com a questão da inovação”

 

Sergio Cavalcente, CEO da CESAR Instituto de Inovação
"Cerca de 73% das empresas brasileiras dizem que são inovadoras. Mas só entre 2 e 4% das empresas de fato tem produtos novos no mercado nacional" 
"Em 2015, o Brasil teve cerca de 800 patentes internacionais no ano, enquanto a Coreia do Sul teve cerca de 14 mil"

Clau Sganzerla, Vice-Presidente da Estratégia e Inovação da Algar
“A gente acha que tem espaço para as empresas continuarem com suas iniciativas de melhoria contínua em produtividade e processo, mas não podemos esquecer das inovações mais disruptivas e se posicionar através de conceitos como o venture capture”
“Precisamos sair de uma fase de negação e entender qual será nosso novo posicionamento no mercado”
“Não podemos perder o timing. Se trabalharmos com o mindset de resultados a curto prazo, corremos o risco de matar a inovação dentro de nossas operações”

Franklin Luzes, COO da Microsoft Participações
“O segredo da inovação é pensar loucamente. O incentivo é fomentar nas pessoas, nas organizações e nos empreendedores a pensar grande, pensar fora da caixa, desafiar o status quo e não ter medo de arriscar”
“O brasileiro precisa aprender a lidar com a falha. E não é só errar, mas também aprender a lidar com o erro”

Peter Seiffert, Head Corporate Venture Capital da Embraer
“A Embraer investe em empresas do ecossistema, que carece de inovação, para desenvolver o setor. Acreditamos que fortalecendo esse ambiente, aumentaremos nossa competitividade. É impossível uma empresa inovar sozinha”
“Se não formos agressivos com o capital empreendedor, nossa receita pode deteriorar”

Diego Feldberg, diretor de Produtos Digitais e Inovação da Cielo
“Tem que mudar o mindset das grandes empresas e estar próximo das startups ajuda nisso. Queremos infectar a Cielo com esse DNA digital através dessas aproximações e parcerias”
“Temos que hackear nosso próprio negócio. Esse é o principal momento para inovar – se não fizermos isso, alguém vai fazer”

Luciana Capanema, gerente de inovação do BNDES
“O investimento público brasileiro não é pequeno, mas a parcela dele que é dedicada as empresas está muito abaixo de outros países em desenvolvimento”
“A gente acredita que a inovação está em todos os setores. Então, a prioridade é a inovação para a competitividade e para mover os nossos setores para a fronteira tecnológica”

Jorge Almeida Guimarães, presidente da Embrapii
“A grande maioria das empresas brasileiras não tem centros de pesquisa e isso é um enorme desafio para nós”

Marcos Cintra, presidente da Finep
“Eu acho que se nós não temos um ambiente de inovação adequado no Brasil, em grande parte, isso se deve a falta de cobrança ou ações que o Governo tem deixado de fazer”
“Nós precisamos convencer a sociedade brasileira. Nós precisamos ter uma cultura de inovação, que não existe”
“Acho que o grande desafio não é necessariamente especializar mais as agencias existentes, mas, sim, coordenarmos esse trabalho”

Paulo Renato Cabral, presidente do Instituto Inovação e sócio da Inseed Investimentos
“Eu vejo que o sistema privado acredita e está colocando dinheiro para investir na iniciativa de ciência, tecnologia, inovação e startups”
“Se qualquer um fizer uma visita a USP, UNICAMP ou UNESP, a riqueza de desenvolvimento tecnológico e de oportunidades ali dentro é absurda, só que elas estão aprisionadas ou a teses ou por uma burocracia cultural absurda”