Ainda abaixo do potencial, PIB brasileiro seguirá crescendo, avalia consultor

por giovanna publicado 03/11/2011 18h40, última modificação 03/11/2011 18h40
Curitiba – Como a economia nacional é bastante voltada ao mercado interno, expansão pode ser mantida mesmo com crise internacional.

Mesmo com o cenário externo desfavorável e a escalada da inflação, a tendência é que a economia brasileira continue crescendo consideravelmente. Na análise de Luiz Augusto Pacheco, gestor de recursos da INVA Capital, há espaço para isso, já que o crescimento brasileiro está bem aquém de sua capacidade (Produto Interno Bruto potencial).

“Estima-se que o PIB potencial do Brasil seja de 4,5%. Isso significa que o Brasil, em condições favoráveis, pode crescer a 4,5%. Nossa economia está se expandindo a taxas de 3,6%, ou seja, abaixo do seu potencial”, afirmou Pacheco em participação no comitê de Finanças da Amcham-Curitiba na quinta-feira (27/10). O próprio Banco Central espera expansão em torno de 3,8% em 2012, lembrou ele.

Pacheco explicou que, como grande parte da economia brasileira é bastante voltada para o mercado interno – em expansão com o aumento da renda e a emergência da classe C –, o Brasil consegue manter seu crescimento mesmo diante de crises internacionais. “Isso aconteceu também em 2008, quando o Brasil foi um dos países menos afetados na crise.”

É esse mercado interno forte, ao lado de projetos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, que justifica a forte atração de investimentos externos.