Amcham debate ações para eliminar gargalos na infraestrutura do País

por daniela publicado 23/08/2011 13h23, última modificação 23/08/2011 13h23
São Paulo - Planejamento de longo prazo, mais segurança jurídica e maior clareza nas licitações são prioridades.
gabriel_rico.jpg

A Amcham debateu nesta terça-feira (22/08) um conjunto de propostas para que haja ampliação e melhoria da infraestrutura do País em suas diversas esferas - transportes, energia e telecomunicações. A entidade defende, sobretudo, planejamentos de longo prazo de Estado, transcendendo administrações partidárias.


"É fundamental um planejamento de Estado porque os planos de governo que acabam em quatro anos não garantem o fôlego necessário para a infraestrutura. Porém, o fato positivo é que o Brasil já está começando a fazer isso, seja em alguns estados ou na esfera federal", disse Gabriel Rico, CEO da Amcham, nesta terça-feira (22/08) no seminário "Competitividade Brasil: Custos de Transação - Infraestrutura", em São Paulo.

Para a Amcham, é necessário aprimorar as condições para a participação da iniciativa privada nos projetos de infraestrutura, a partir das seguintes ações:

• Maior segurança jurídica;
• Transparência e clareza nos processos de licitação;
• Critérios realistas para atratividade financeira;
• Gestão público-privada dos projetos (profissionalização da supervisão).

Histórico

O programa "Competitividade Brasil – Custo de Transação" da Amcham-Brasil foi lançado em 2010 para debater e apontar soluções para os principais gargalos que comprometem uma maior competitividade brasileira: déficit de mão de obra técnica, deficiências de infraestrutura, excesso de burocracia e baixa eficiência do Estado.

Ao longo do ano passado, foram realizadas pesquisas junto à base de associados da Amcham. A partir dos resultados, foram realizados quatro grandes seminários na Amcham-São Paulo, onde foram levantadas sugestões, em seguida priorizadas sob a ótica de urgência e importância para o empresariado.

Nesta terça-feira, a discussão sobre Infraestrutura foi novamente tema central de discussão, dentro dos esforços da entidade de intensificação do diálogo público-privado.