BNDES destina R$ 22 bilhões a projetos de infraestrutura no primeiro semestre

por daniela publicado 25/08/2011 15h02, última modificação 25/08/2011 15h02
Daniela Rocha
São Paulo - Montante representa 38% do total de desembolsos, ressalta Ligia Barros, gerente da área de Infraestrutura do banco.
ligia_barros_bndes_2.jpg

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou no primeiro semestre R$ 22 bilhões em financiamentos de projetos de infraestrutura no País, representando 38% do total de desembolsos da instituição.

“Foram destinados R$ 22 bilhões para infraestrutura no primeiro semestre. Em 2011, provavelmente os desembolsos nessa área poderão superar os do ano passado, que somaram R$ 52,2 bilhões ou uma fatia de 31% do total”, disse Ligia Barros das Chagas Ferreira, gerente da área de Infraestrutura do banco, em entrevista após participar na terça-feira (23/08) do seminário "Competitividade Brasil - Custos de Transação/ Infraestrutura" na Amcham-São Paulo.

O BNDES tem ampliado ano a ano as liberações de recursos para a área de infraestrutura e o impulso maior ocorreu a partir de 2008, quando o banco agiu de forma anticíclica, isto é, auxiliou no enfrentamento brasileiro da crise financeira internacional. Em 2008, foram destinados R$ 35,9 bilhões e, em 2009, R$ 48 bilhões.

Ligia explicou que está havendo ampliação em termos de volume de dinheiro e também em relação ao número de projetos. Isso demonstra que o banco está atendendo não somente empreendimentos de grande porte -a exemplo dos grandes complexos de usinas do Madeira e Belo Monte e de diversos projetos relacionados a petróleo e gás -, também pequenos e médios.

Em 2003, a instituição atendeu 55 projetos; no ano passado, foram 162; e, somente nos primeiros seis meses de 2011, somaram 268. “Dentre os projetos atendidos neste ano, há PCHs Pequenas Centrais Hidrelétricas e estações eólicas”, comentou.

Áreas prioritárias

Em linhas gerais, o BNDES aplica nos financiamentos de projetos de infraestrutura a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), atualmente fixada em 6% ao ano mais um spread básico, que remunera a parte operacional do banco e varia de 0,9% a 1,3% ao ano, além de um spread de risco entre 0,46% e 3,5% ao ano.

Conforme a gerente, o banco utiliza a fixação de spreads assim como os níveis de sua entrada com recursos como instrumentos de fomento a setores considerados prioritários.

Por exemplo, no setor de energia, o BNDES incentiva fontes alternativas e limpas, e, em logística, estimula o modal ferroviário. Nesses casos, pratica spreads menores e mantém participações de financiamentos maiores.

Mercado de capitais

De acordo com Ligia Barros das Chagas Ferreira, o BNDES tem buscado motivar o mercado de capitais para que se torne um importante agente financiador dos projetos de infraestrutura no País. “Realmente, pelas perspectivas e demandas de financiamentos de longo prazo, isso é necessário. Os Project Bonds têm essa finalidade”, comentou.

Os Project Bonds são instrumentos financeiros nos quais o BNDES financia os projetos e adquire esses títulos junto com outros entes do mercado, compartilhando as garantias e os riscos.

Perspectivas de investimentos

Um estudo realizado pela área econômica do BNDES projeta que, até 2014, o Brasil terá um total de R$ 240 bilhões em investimentos em infraestrutura provenientes das mais diversas fontes. A expectativa é que os recursos serão aplicados energia elétrica (R$118 bilhões); ferrovias (R$ 65 bilhões); rodovias (R$ 30 bilhões); portos (R$ 17 bilhões); aeroportos (R$ 6,4 bilhões); e eventos esportivos (R$ 60 bilhões).

No período anterior, entre 20006 e 20010, os aportes atingiram R$ 146 bilhões.