Copa do Mundo e interesse de novas empresas no Paraná impulsionam projetos de infraestrutura

publicado 15/07/2011 12h23, última modificação 15/07/2011 12h23
Daniela Rocha
Curitiba - Segundo Cassio Taniguchi, secretário de Estado de Planejamento e Coordenação Geral do Paraná, diversas obras já estão em andamento.
copa_corpo.jpg

A Copa do Mundo de 2014 e o interesse de novas empresas em investir no Paraná são os grandes impulsionadores de melhorias na infraestrutura logística no Estado, avalia Cassio Taniguchi, secretário de Estado de Planejamento e Coordenação Geral do Paraná.

Ele ressalta que verbas públicas federais relacionadas ao evento esportivo já estão sendo liberadas, mas também a importância das Parcerias Público-Privadas (PPPs) e das negociações com o Banco Mundial e a Agência Francesa de Desenvolvimento, além do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para somar os recursos necessários. 

Taniguchi participou do seminário Competitividade Regional realizado em Curitiba na quarta-feira (13/07), como parte do projeto "Competitividade Brasil - Custos de Transação" da Amcham e concedeu a seguinte entrevista ao site da entidade:

Amcham: O Paraná está se preparando para a Copa do Mundo 2014?
Cassio Taniguchi:
A Copa está sendo um dos fatores de motivação para que a Prefeitura e o Estado complementem a infraestrutura, especialmente na região metropolitana. Isso não quer dizer que o governo estadual esteja envolvido apenas com esse evento esportivo; pelo contrário, temos recebido muitas visitas de indústrias querendo se instalar no Estado e a infraestrutura sempre é um dos fatores que preocupam essas empresas. Portanto, há necessidade de melhorarmos substancialmente os portos, aeroportos, estradas, ferrovias e hidrovias, tudo o que compõe esse conjunto que chamamos de logística. É um momento muito bom para o Paraná, tendo em vista a proximidade da Copa e os empresários que enxergam o Estado como opção de investimento.

Amcham: Hoje, conforme a pesquisa da Amcham, os principais gargalos à competitividade no Estado estão na má qualidade das rodovias e também nas dificuldades operacionais no Porto de Paranaguá. O que o governo está fazendo para endereçar essas questões?
Cassio Taniguchi:
Estamos colocando como prioridade a melhoria das condições das nossas estradas, principalmente as não pedagiadas. Já em relação às que têm pedágios, buscamos a modicidade tarifária.  Ao mesmo tempo, estamos trabalhando ativamente no Porto de Paranaguá, que foi sucateado durante tantos anos, para garantir as condições mínimas de atracação dos navios. A parte de dragagem já está sendo feita e pretendemos colocar mais berços de atracação. Algumas melhorias já começaram a ser implementadas e todo o projeto para expansão do Porto está sendo discutido com as autoridades federais.

Amcham: As Parcerias Público-Privadas são um caminho para que a infraestturura possa ser ampliada?  O que o Estado está fazendo para facilitar a participação do setor privado nos projetos?
Cassio Taniguchi:
Primeiro, precisamos aprovar uma lei estadual, muito embora estejamos utilizando a lei federal. Já temos uma primeira PPP com manifestação de interesse. Sem dúvida nenhuma, as PPPs consistem em um excelente instrumento, principalmente porque não há recursos para fazer todas as obras necessárias com fontes diretas do governo. Portanto, vamos buscar parcerias com o setor privado, assim como também estamos negociando recursos junto a órgãos multilaterais como o Banco Mundial e a Agência Francesa de Desenvolvimento, além do próprio BNDES, para que possamos implementar toda a infraestrutura que está faltando.

Amcham: O Estado do Paraná está negociando com o governo federal a liberação de mais recursos para a bregião devido à Copa?
Cassio Taniguchi:
A Copa, na verdade, já tem uma condição de recursos em fase de liberação e implementação, o que é o mais importante. A Coordenação da Região Metropolitana (Comec), por exemplo, já está implementando corredores de transporte, bem como os acessos fundamentais do aeroporto para Curitiba e vice-versa.

Amcham: O sr. poderia detalhar um pouco esses corredores?
Cassio Taniguchi:
 Um exemplo é a expansão da Linha Verde no sentido do município de Fazenda Rio Grande e, também, no sentido Norte, para chegar até a região do Atuba. A Linha Verde é a utilização da antiga rodovia BR 116 que cruzava Curitiba e que foi repassada ao município e, com isso, implantamos um projeto de transporte urbano. O Metrô é outra alternativa que levará mais tempo.

Amcham: O Paraná, que no passado foi considerado referência de inovação em urbanismo e transportes, parece que perdeu essa posição...O novo governo inovará nessas áreas?
Cassio Taniguchi:
Infelizmente, o Paraná parou por oito anos; porém, agora, com a nova orientação do governador Beto Richa e a necessidade de o Estado retomar seu processo de desenvolvimento, sem dúvida nenhuma, muitas novidades acontecerão. Haverá também uma descentralização porque não tem sentido focar tudo na capital. É também uma ação importante do governo buscar equalizar as diferenças sociais que existem hoje. A capital e a região metropolitana reúnem melhores condições de vida em comparação com a área central do Estado, que passa hoje por uma série de dificuldades e tem IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mais baixo. Além disso, pensamos em inovar na área de meio ambiente. São diversos projetos em desenvolvimento. Buscamos o desenvolvimento sustentável, que pressupõe o equilíbrio entre três componentes - social, ambiental e econômico.