Gestão de estoques por terceiros terá maior sucesso quando relação de confiança aumentar

por andre_inohara — publicado 17/02/2011 16h44, última modificação 17/02/2011 16h44
São Paulo – Sistema VMI reduz custos e elimina perdas com entregas, mas empresas estudam com cuidado abrir a gestão dos seus estoques para os fornecedores.
sergio_montoya_1.jpg

A implantação do modelo VMI (sigla em inglês para Estoques Geridos pelo Fornecedor), de terceirização da gestão dos estoques, só terá sucesso se houver maior confiança entre empresa e fornecedor. Algumas empresas relutam em terceirizar seu inventário, preocupadas com o acesso dos fornecedores a informações estratégicas que poderiam aumentar seu poder de negociação de preços, afirma Sérgio Montoya, diretor de vendas da consultoria de gestão de estoques Orbit Logistics.

“O fornecedor só verá informações relativas aos produtos, não do estoque geral do cliente”, argumenta Montoya. O executivo, que participou da reunião do comitê de Logística da Amcham-São Paulo nesta quinta-feira (17/02), disse que todo relacionamento de VMI é previamente negociado, o que inclui confidencialidade e termos de fornecimento.

Com a gestão integrada de estoques, a duplicidade de trabalho nos pedidos de compra é eliminada. No processo tradicional, a ordem é gerada pelo cliente e depois enviada ao fornecedor. Com o VMI, ela é gerada ao mesmo tempo no sistema de ambos. A redução de custos, decorrentes da minimização nos erros nos pedidos e da racionalização do tempo das entregas, também é uma vantagem do sistema, lembra Montoya.

Indústrias química e petroquímica já aplicam

No Brasil, o VMI é utilizado principalmente pelas indústrias química e petroquímica, mas as grandes redes varejistas também empregam o método. Por meio de equipamentos de radiofrequência, etiquetas ou código de barras instalados em silos e tanques, mede-se o nível de consumo das matérias-primas em tempo real.

As informações produzidas são enviadas a um sistema integrado de gerenciamento que, por sua vez, gera ordens automáticas de compra. Assim, o fornecedor sabe com antecedência a quantidade, a data e o local a ser entregue. Com o VMI, os níveis de estoque são otimizados, pois são atualizados conforme necessidade imediata.

A logística de entrega se torna mais efetiva, pois o VMI melhora o sincronismo de entrega dos insumos nas datas e tanques corretos. “Antes, os caminhões de entrega ficavam parados ou tinham de voltar porque não havia espaço para os produtos”, afirma Montoya. ”O fornecedor tem de enxergar seu estoque no cliente para que possa gerar o pedido”, ressalta.

Ajustes para conquistar novos adeptos

Soluções customizadas podem abrir as portas para um maior uso do VMI. A Orbit Logistics, por exemplo, conquistou a confiança de um cliente graças à eficiência tecnológica. Dante Uccio, consultor da Orbit no Brasil, conta que uma indústria química não queria compartilhar informações sobre a quantidade de insumo em um de seus tanques com um dos fornecedores atendidos pela consultoria.

“Tivemos que instalar outro medidor no tanque e, no final, ele transmitia informações mais precisas do que as do cliente”, lembra. A relação melhorou e o fornecedor tem liberdade para gerir o seu produto no estoque do cliente, finalizou Uccio. “Eles só têm que seguir algumas regras de integração e segurança.”