Investimentos da Petrobras em Pesquisa & Desenvolvimento poderão superar US$ 1 bilhão anuais até 2015

publicado 16/08/2011 14h51, última modificação 16/08/2011 14h51
Daniela Rocha
São Paulo - Objetivo é aplicação de novas tecnologias para aumento de eficiência em exploração e produção de petróleo e gás, diz Solange Silva Guedes, gerente da companhia.
investimentos_corpo.jpg

O volume de investimentos da Petrobras em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) poderá superar US$ 1 bilhão ao ano até 2015. O objetivo desse aporte é a aplicação de novas tecnologias para aumentar a eficiência dos processos de exploração e produção de petróleo e gás, vencendo também os desafios das recentes descobertas do pré-sal, camada onde haverá extrações profundas, atingindo até mais de dois mil metros. É o que destaca Solange Silva Guedes, gerente executiva de Exploração e Produção e de Engenharia de Produção da companhia. 

“Em P&D, a Petrobras planeja investir US$ 1bilhão ao ano até 2015. Contudo, devido à grande demanda tecnológica, provavelmente, esses valores poderão ser um pouco maiores”, disse Solange, que participou nesta terça-feira (16/08) do comitê estratégico de Energia da Amcham-São Paulo.

A Petrobras mantém parcerias com 120 universidades e centros de pesquisas, o que contribui para o Brasil a ter um dos maiores complexos de pesquisa do setor no mundo. Como exemplo, no parque tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), já estão em construção sete centros de P&D de importantes fornecedores de equipamentos e serviços, como Schlumberger, Baker Hughes, Halliburton, General Electric, FMC Technologies, Usiminas e Tenaris Confab.

A gerente da Petrobras concordou com a declaração que o secretário-adjunto de Energia dos Estados Unidos, Daniel Poneman, fez na Amcham nesta segunda-feira (15/08) de que, no segmento de petróleo e gás, companhias brasileiras e americanas vêm mantendo um longo e produtivo relacionamento, mas que as parcerias tendem a se intensificar à medida que o Brasil desponta como grande player nessa área.

“Com certeza. Mantemos parcerias com muitas instituições e empresas americanas que são críticas para esse desenvolvimento tecnológico de que precisamos”, disse ela.

Planejamento

O Plano de Negócios da Petrobras 2011-2015, recentemente anunciado, prevê, segundo a gerente da empresa, US$ 224,7 bilhões de investimentos. Desse total, 57% serão destinados à exploração e produção de petróleo e gás; 31% para refino, transporte e comercialização; e o restante para as áreas corporativa, petroquímica e de tratamento do gás, distribuição e biocombustíveis.

De acordo com Solange Guedes, a companhia está focada em auxiliar o desenvolvimento das indústrias que fazem parte da cadeia, aspecto que será fundamental para que o País passe a ser um exportador de produtos de maior valor agregado, além do óleo bruto. Nesse sentido, o Brasil tem como desafios a ampliação da capacidade produtiva, a inovação, a capacitação de mão de obra especializada, o aprimoramento da gestão empresarial e a disponibilização de linhas de financiamentos e incentivos fiscais.

Essa cadeia necessitará de 213 mil profissionais qualificados até 2015, segundo a executiva. O governo federal, através do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), vem implementando uma política de conteúdo local no setor para ampliar a participação da indústria nacional no fornecimento de bens e serviços, em bases competitivas e sustentáveis, a fim de traduzir os investimentos do setor em geração de emprego e renda para o País.

“Entre diversas ações, o Prominp cria projetos de treinamentos,” explicou Solange. Ela salientou que a Petrobras está contribuindo para a industrialização do País. Até 2016, o compromisso assumido pela companhia é de utilizar limites mínimos de 55% de conteúdo nacional no desenvolvimento da produção e de 37% na exploração.