Vídeos: encontro com ministro da Fazenda na Amcham teve grande repercussão na mídia

publicado 24/08/2015 15h38, última modificação 24/08/2015 15h38
São Paulo - Joaquim Levy falou sobre perspectivas de crescimento, controle da inflação, tributação e ajuste fiscal
ministro-foto01.jpg-8122.html

Em evento super concorrido na Amcham São Paulo, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, discursou para mais de mil empresários no último dia 14.  As afirmações sobre perspectiva de crescimento, controle da inflação, tributação e ajuste fiscal tiveram grandes repercussões na mídia brasileira.

Joaquim Levy fez um discurso para acalmar os empresários e chegou a afirmar que a economia está se reequilibrando. Segundo ele, isso estaria acontecendo pois os riscos do começo do ano, como crise da Petrobras, racionamento de água, de energia, além da possibilidade de perda do grau de investimento do país, foram reduzidos.

A Globo News fez uma cobertura extensa do encontro. A editora de economia do canal, Juliana Rosa, destacou as afirmações do ministro em três edições do Jornal da Globo News e no programa Conta Corrente.

Ainda dentro dessa perspectiva de retomada do crescimento, o ministro disse que vai manter o rigor no ajuste das contas públicas. A promessa foi um dos destaques da reportagem do Jornal da Record (confira o vídeo abaixo)O Jornal do SBT focou nos avanços ditos por Levy, dentre eles, a estagnada da deterioração das contas públicas.

“Aquele balanço estrutural fiscal primário vinha se deteriorando desde 2012. O que a gente fez foi estancar essa deterioração e vamos, aos poucos, voltar a melhorar”, comentou Levy.

Outro assunto que ganhou os holofotes foi a crítica de Levy a proposta de correção do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) que tramita atualmente na Câmara dos Deputados.  O assunto virou notícia no CNT Jornal e no Jornal da Band.

"Muita gente tira o dinheiro do fundo para poder fazer a casa própria, então se você aumenta a remuneração, muito legal, mas você vai ter que aumentar a prestação da casa própria", comentou o ministro durante evento na Amcham.

 A temida inflação também foi temática do encontro. Em tom otimista, o ministro afirmou que a taxa deve convergir para a meta de 4,5% em 2017. A perspectiva positiva foi pauta do programa Gazeta News.

ICMS e reforma do Pis/Cofins

Dentre as medidas necessárias para a retomada do crescimento, Levy destacou principalmente a reforma do ICMS e do PIS/Cofins, assunto de grande interesse para os empresários.  A proposta de simplificação da tributação apresentada pelo ministro também foi destaque na grande mídia.

Atualmente, o ICMS tem duas alíquotas: uma na origem dos produtos (interestadual), e outra no destino (alíquota final). A proposta consiste em reduzir gradualmente a alíquota de origem (7% nos estados do Sudeste e Sul, e de 12% nos demais), justamente a que alimenta a guerra fiscal, para 4% em todos os estados. A redução da alíquota seria acompanhada da criação de um fundo constitucional para compensar as perdas dos estados com a mudança tributária.

Já sobre a reforma do PIS/Cofins, Levy considerou fundamental para aumentar a eficiência da economia brasileira.  A proposta que foi enviada no começo de agosto ao Congresso consiste em unificar as duas contribuições em um imposto único de valor agregado, semelhante ao que se pratica na Europa.

“A mudança começa com o PIS, que é menor. Calibra-se a alíquota durante um ano e vê se está tudo certo. Depois leva (o novo formato) para o COFINS e roda os dois juntos. Eventualmente, se transforma em um novo imposto, que vai ser único de valor agregado, com crédito financeiro.”