Parceira Público-Privada é fundamental para vencer o Covid, afirma governador de Goiás

publicado 14/04/2020 16h52, última modificação 14/04/2020 16h52
Goiânia – Ronaldo Caiado participou de encontro online com empresários associados a Amcham Brasil
Ronaldo Caiado participou de encontro online com empresários associados a Amcham Brasil.jpg

Ronaldo Caiado participou de encontro online com empresários associados a Amcham Brasil

A Parceria Público-Privada é crucial para reduzir o impacto da pandemia da Covid-19 na saúde e economia, apontou o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), ao participar na quinta-feira (9/4), do nosso webinário, reunindo 250 empresários goianos e de outros estados do Brasil. 

No encontro, o governador compartilhou com os empresários que estuda modelos de flexibilização do isolamento social, permitindo alguns serviços comerciais a partir do dia 19 de abril.  “Vamos começar a liberar algumas atividades no estado. Se percebermos que os números de infectados pela Covid-19 voltou a aumentar, serão tomadas medidas rígidas novamente, pois a principal preocupação continua sendo salvar vidas”, declarou.

Caiado pregou a transparência das informações, disse que vai compartilhar dados econômicos e da área da saúde com todos os empresários que solicitarem, mas não poderia fazer promessas populistas nem assegurar que as medidas de abertura das atividades econômicas serão irreversíveis. "Eu tenho que calibrar isso. Vou governar o estado com a consciência de que, ao final do meu governo, eu não deixei nenhum goiano morrer sem oportunidade de leito de UTI, e sem atendimento médico. Não tem nada mais desumano do que o que estamos vendo hoje na Itália e no Equador", comparou.

Ronaldo Caiado explicou que ainda não é possível indicar uma previsão de quando acontecerá a retomada econômica, mas ressaltou como as empresas são aliadas nesse processo. “Goiás tem uma posição geográfica privilegiada, tem regras claras, é seguro e precisamos buscar uma solução compartilhada”.

Ele acredita que será a partir do agronegócio que se dará a recuperação econômica do país. Segundo ele, a despeito de o Brasil não ser competitivo com o Vale do Silício nos setores de tecnologia e informática, "Na agropecuária, estamos em primeiro lugar no mundo, somos o único país que consegue ampliar a oferta de alimentos. Podemos bater americanos em produção de soja", acrescentou. O governador enfatizou que essa é "uma avaliação muito pessoal". 

O estado de Goiás vem fazendo conversas estratégicas com alguns setores chaves, como mineração e construção civil. “Esses setores, por exemplo, já estão se mobilizando e se responsabilizando pelo transporte dos colaboradores, se organizando para uma retornada das suas atividades. Outras ações também sendo priorizadas, como fornecer equipamentos importantes para a prevenção e analisar dados clínicos dos funcionários”, comenta.

 

PROGRAMAS DE APOIO

O governador divulgou também um programa de apoio a pequenas e médias empresas, que enfrentarão sérias dificuldades por conta da pandemia, e pediu doações de cestas básicas a equipamentos médicos e hospitalares a empresários.

Caiado afirmou que suas ações prioritárias estão voltadas aos municípios mais pobres de Goiás. Ele disse que é preciso "levar alimentos a quem está no isolamento social para que não tenhamos quadro de saques, violência, destruição de supermercados e lojas em Goiás". 

No evento on-line, Caiado informou ainda que o governo de Goiás abriu canais para que a população e o empresariado possam fazer doações para ajudar na prevenção e no combate ao coronavírus.

 

FUNDO DE COMBATE 

O Fundo de Combate à  Propagação do Coronavírus recebe doações da sociedade civil, especialmente, de cestas básicas, equipamentos hospitalares (UTI), respiradores, máscaras, oxímetros, EPIs, aventais, entre outros equipamentos médicos e produtos de saúde. Para mais informações, veja aqui.