PE Avança: quais são as perspectivas da retomada econômica em Pernambuco?

publicado 03/09/2020 15h23, última modificação 03/09/2020 15h23
Recife - Com a chegada da pandemia, Pernambuco viu seu crescimento desacelerar, mas especialistas estão otimistas com a recuperação
_Conectar os ativos que já temos ao ecossistema de inovação é o grande desafio, além de estabelecer conexões e mostrar as oportunidades para que elas possam, de fato, acontecer”, revela o Secretário de Desenvo.jpg

"Conectar os ativos que já temos ao ecossistema de inovação é o grande desafio, além de estabelecer conexões e mostrar as oportunidades para que elas possam, de fato, acontecer”, revela o Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado

Não é de hoje que a economia brasileira patina. Após seguidas quedas, o PIB brasileiro cresceu apenas 1,1% em 2019, em relação ao mesmo período do ano anterior. Na contramão dos números nacionais, o desempenho de Pernambuco dentro dos três grandes setores analisados – agropecuária, indústria e serviços – destoou do cenário geral e colocou a produção estadual acima do Brasil pelo segundo ano consecutivo. O crescimento foi de 1,9%, segundo dados da Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (Condepe/Fidem).  

Com a chegada do novo coronavírus, Pernambuco viu seu crescimento desacelerar, mas especialistas estão otimistas com a recuperação. “A pandemia atrapalhou o mundo inteiro, mas acreditamos que o pior já passou. A maioria das atividades produtivas de Pernambuco já foi retomada e estamos aguardando a sinalização da área da saúde para liberar o restante”, afirma Bruno Schwambach, Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, no lançamento do PE Avança.   

Apesar do otimismo, Schwambach sabe que ainda há uma série de desafios que devem ser enfrentados para alavancar a economia pernambucana. O principal deles é conectar e potencializar os ativos da região. “Algumas atividades se desenvolveram sem tanta conexão – o próprio ecossistema do parque tecnológico do Porto Digital atende muitas empresas de fora do estado. Conectar os ativos que já temos ao ecossistema de inovação é o grande desafio, além de estabelecer conexões e mostrar as oportunidades para que elas possam, de fato, acontecer”, revela o Secretário.  

O Presidente do Conselho da Amcham Recife e Diretor de Inovação do Grupo Cornélio Brennand concorda. “Precisamos de mais inovação aberta no estado. Todos os setores têm problemas e eles devem trazê-los para quem pode ajudar, seja na perspectiva tecnológica ou em relação aos modelos de negócio”, diz. Além disso, para Sergio Cavalcante, o pensamento da comunidade empresarial pernambucana precisa ser mais coletivo, preocupado com o meio ambiente, questões sociais e governança, e focado em um propósito, que deve ser mais do que gerar receita.  

 

INICIATIVAS PÚBLICAS E PRIVADAS 

Inovação e conexão precisam ser vistas como investimentos necessários para a transformação que o mercado exige e para a perpetuação de modelos de negócios promissores – é o que acredita a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado. Com esse espírito, o governo pernambucano criou diversas iniciativas nos últimos anos a fim de preencher lacunas do mundo corporativo e resolver problemas da região, como a Suape Conecta e a Desenvolve.AI! 

O objetivo da primeira é formar uma rede de relacionamento e fomentar as empresas instaladas no Complexo Industrial Portuário de Suape, além de propor soluções para as necessidades comuns dos negócios e apresentar ideias que impulsionem as atividades específicas. Já a Desenvolve.AI! nasceu para criar novas oportunidades tecnológicas para todas as empresas sediadas em Pernambuco. Na prática, a iniciativa ajuda as organizações a resolver antigos desafios de inovação e se conectar com o ecossistema empreendedor local. 

Porém, mesmo com bons incentivos governamentais, Bruno Schwambach defende que essa não deve ser a única premissa que convença uma empresa a se mudar para Pernambuco. “Se não houver mercado, interesse e a compreensão da importância da inovação, o investimento provavelmente não será aproveitado”, afirma. É dever do setor privado também ajudar nessa jornada, diz Sergio Cavalcante, investindo no movimento empreendedor e fazendo com que ele se torne ainda mais forte.  

 

O FOCO DO GOVERNO DO ESTADO. 

No lançamento do PE Avança, o Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado também compartilhou as três principais ações que devem ser focos do governo nos próximos anos: melhorar o ambiente de negócios, diminuindo a burocracia e aproximando entidades e iniciativa privada; olhar para todas as áreas do estado, compreendendo a vocação e potencial de cada uma; e trabalhar nos projetos estruturadores, que são essenciais desenvolver talentos e reduzir desigualdades.“Precisamos criar um ambiente favorável que demonstre que vale a pena investir em Pernambuco e que a maioria das empresas que vieram para cá tem sido bem-sucedida”, conta.  

 

SOBRE O PE AVANÇA  

O PE AVANÇA é uma iniciativa realizada por nós no Recife desde 2017. O objetivo do projeto é apresentar o estado de Pernambuco como um polo de inovação e atração de investimentos. Em edições passadas, no formato de evento presencial, reunimos mais de 1.500 executivos do Recife e de outras cidades do Brasil para conhecerem o ecossistema de inovação do Porto Digital, oferecemos mentorias para startups e tratamos sobre formatos de investimentos no estado. Para acompanhar todas as novidades desta edição, acesse aqui.