Pesquisa Amcham: 96% dos empresários estão insatisfeitos com estrutura das rodovias em PE

publicado 30/05/2014 14h57, última modificação 30/05/2014 14h57
Recife – Estudo ouviu 128 executivos locais e mapeou as deficiências do Estado em infraestrutura, mobilidade e logística

A maioria (96%)  das empresas em Pernambuco está insatisfeita com as rodovias do Estado. A conclusão vem de recente pesquisa da Amcham-Recife, realizada em maio deste ano, com a participação de 128 executivos (confira aqui a pesquisa completa). O estudo indicou que, de todos os modais de transporte na Região Metropolitana do Recife, as rodovias (72%) e as ferrovias (19%) representam os maiores entraves para o desenvolvimento de Pernambuco.

A pesquisa, aplicada de 12/05 a 22/05, analisou as respostas de profissionais de vários setores de negócio, em maioria nas áreas de serviços (51%), TI (15%) e indústria (15%). Presidentes/diretores (52%), gerentes (31%) e coordenadores (9%) de organizações locais, em maior número situadas no Recife (78%), opinaram sobre as condições de infraestrutura da Região Metropolitana. 

No estudo da Amcham, os empresários apontaram soluções para as atuais deficiências do Estado e obras em andamento mais relevante quando se fala em competitividade empresarial. O Arco Metropolitano, trecho que ligará a BR-408, em São Lourenço da Mata, a BR-101 Sul, em Cabo de Santo Agostinho, foi considerado a obra estruturadora mais importante para o Estado (54%), seguida pela Transnordestina (18%) e Transposição do Rio São Francisco (11%). Via Mangue e Via Expressa também apareceram entre as de maior necessidade – ambas com 5%.

PPPs

As dificuldades em estabelecer Parcerias Público-Privadas (PPPs) também foram abordadas na pesquisa. Os maiores entraves para a ampliação na iniciativa privada nos projetos de infraestrutura são quatro: insegurança jurídica/liminares/meio ambiente (22%), gestão pública de projetos (22%), falta de transparência no processo licitatório (20%) e muita burocracia no processo licitatório e posterior (20%).

Mobilidade urbana

Segundo os entrevistados, mobilidade urbana difícil é o aspecto, em termos estruturais, que mais tem impacto na produtividade das empresas (46%). Rodovias (20%), serviços de telefonia/banda larga (11%) e serviço de energia elétrica (9%) vêm em seguida.  

Transporte público terrestre (78%), vias urbanas (59%) e estradas intermunicipais (47%) foram apontados como as principais prioridades de investimento em termos de mobilidade urbana na Região Metropolitana do Recife. Calçadas (35%), transporte público fluvial (25%) e ciclovias (19%) também apareceram no estudo.

Aeroporto de excelência 

Apesar da insatisfação com as rodovias e as ferrovias (73%), os empresários pernambucanos apontaram satisfação com a estrutura do aeroporto da cidade. De acordo com o estudo, 91% dos entrevistados estão satisfeitos com os serviços do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes, sendo 19% deles totalmente satisfeitos. 

Evento Amcham

A pesquisa foi divulgada e apresentada por Alessandra Andrade, gerente regional da Amcham-Recife, no evento “Ciclo de Desenvolvimento Regional: Infraestrutura”, promovido nesta quarta-feira (28/05), na sede da Amcham na capital pernambucana. 

O evento discutiu caminhos e soluções para os gargalos de infraestrutura em Pernambuco. Para debater sobre o assunto, a Amcham-Recife escalou Adauto Duarte, diretor de RH da Fiat Chrysler em Pernambuco, Elias Lages, diretor presidente da Concessionária Rota do Atlântico, Fernando Braga, sócio da TGI Consultoria em Gestão e Diretor executivo da INTG – Instituto da Gestão, e Gustavo Maia, cofundador do aplicativo Colab.re.

A seguir, a íntegra da pesquisa apresentada durante o Ciclo de Desenvolvimento Regional de Infraestrturara, na Amcham-Recife, em 28/03: