Prêmio Nacional de Combate à Pirataria recebe inscrições até o final de outubro

publicado 23/10/2014 12h14, última modificação 23/10/2014 12h14
Brasília – Instituto ETCO é responsável pela gestão do prêmio; Amcham conquistou o troféu em 2012 e 2013
premio-nacional-de-combate-a-pirataria-3521.html

O Conselho Nacional de Combate à Pirataria e Delitos contra a Propriedade Intelectual (CNCP), órgão ligado ao Ministério da Justiça, está recebendo inscrições para a edição 2014 do Prêmio Nacional de Combate à Pirataria (PNCP 2014) até 31 de outubro. As empresas podem cadastrar seus projetos por meio do site do PNCP, e a cerimônia de premiação será realizada em 03/12, em Brasília (DF).

O Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) está encarregado de administrar o prêmio, recebendo e identificando os projetos mais relevantes. “A pirataria é uma das grandes mazelas da economia brasileira. O PNCP motiva as instituições para que elas se sintam reconhecidas e se empenhem a enfrentar o problema, buscando ser cada vez melhores”, disse Heloísa Ribeiro, diretora executiva do ETCO.

De acordo com o Ministério da Justiça, o prêmio surgiu para reconhecer as instituições públicas e privadas que criaram iniciativas de destaque no combate à pirataria e violações de propriedade intelectual.

Este ano, o PNCP terá três categorias: educacional/preventivo, econômico e repressivo. Os projetos serão avaliados por uma comissão julgadora composta pelo presidente do CNCP e especialistas convidados que utilizarão critérios preestabelecidos como benefício à sociedade, inovação, criatividade e planejamento. Os três melhores projetos de cada categoria serão selecionados.

A Amcham ganhou o troféu em 2012 e 2013 na categoria educacional/preventivo, pelo Projeto Escola Legal. O projeto consiste no trabalho de conscientização de alunos de sete a dez anos da rede pública de ensino sobre os prejuízos da pirataria. Uma das iniciativas da Amcham foi a realização do Concurso Vídeo Legal, que estimula as crianças a produzir vídeos sobre os perigos que o consumo de produtos falsificados traz à saúde das pessoas.