PSDB defende regulação de qualidade para estimular a competição industrial

por andre_inohara — publicado 18/05/2012 16h54, última modificação 18/05/2012 16h54
São Paulo – Presidente do partido esteve na Amcham para dialogar com executivos de relações governamentais.
sergio_guerra.jpg

O desenvolvimento de uma economia aberta e competitiva no Brasil passa por uma regulação de qualidade. O deputado federal Sérgio Guerra (PE), presidente do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), avalia que é preciso haver uma agenda que “renove e reestruture” o papel das agências reguladoras para que elas possam cumprir a tarefa de eliminar eventuais distorções da economia e incentivar uma competição de qualidade.

As propostas do partido para estimular a competitividade da indústria brasileira voltarão a ser debatidas a partir do segundo semestre, com a definição das eleições municipais, informou Guerra, que esteve na Amcham-São Paulo nesta sexta-feira (18/05) para uma reunião com executivos de relações governamentais de empresas associadas. Após a reunião, ele falou ao site da Amcham.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista de Guerra:

Amcham: Quais as propostas do PSDB para desenvolver a competitividade da indústria nacional?

Sérgio Guerra: Vamos discutir esses temas de forma mais intensa nos próximos meses, no segundo semestre. Não sei se haverá chance de fazermos isso [antes], com a proximidade das eleições, mas o desenvolvimento da indústria é tema do nosso Instituto Teotônio Vilela [Em uma apresentação no final de 2011, o partido mencionou a necessidade de políticas mais favoráveis às empresas e de uma regulação mais eficaz e menos ideológica]. Somos a favor da competitividade e, para que ela se desenvolva, defendemos agendas que renovem, reestruturem e fortaleçam as agências reguladoras para que cumpram efetivamente seu papel. Da mesma forma, defendemos a maior liberdade possível na competição, e que seja fundamentada pela qualidade.

Amcham: Poderia dar mais detalhes?

Sérgio Guerra: Sou a favor de uma sociedade livre que tenha iniciativas caracterizadas por economias abertas, mas que tenham regulação de qualidade. A regulação tem que estimular e não inibir a competição, no sentido de não permitir a formação de monopólios nem hegemonias forçadas ou favorecimentos, como se dá hoje.

Amcham: E sobre a questão da inovação, como é vista pelo partido?

Sérgio Guerra: O programa Ciência sem Fronteiras (CsF) é um bom exemplo. Acho que a ideia de uma ampla colaboração técnica extra-nacional, como parece estar sendo desenvolvida em certas áreas, deve ser apoiada. Um problema grave do Brasil é a falta de estímulo real ao desenvolvimento de tecnologia. Preocupa-me a falta de visão sobre a questão da indústria de transformação. À medida que ela enfraquece, seus componentes também seguem o mesmo caminho, bem como sua capacidade de intervenção e criação, ou seja, de ser competitiva.

Amcham: Qual é o melhor caminho para defender a indústria de transformação?

Sérgio Guerra: Estimular a pesquisa e o desenvolvimento. Há movimentos nesse sentido, mas são tímidos.