Secretário de Transporte de PE vê com cautela plano de concessões

publicado 15/06/2015 10h30, última modificação 15/06/2015 10h30
Recife - Secretário-executivo de transportes disse, em evento da Amcham, que ainda é cedo para avaliar o plano e que vários pontos ainda precisam ser regulamentados

O secretário-executivo de transportes de Pernambuco, Antônio Cavalcanti Júnior, veio à Amcham-Recife na noite de ontem (08/06) para participar do Ciclo de Decisões Logísticas.  Direto, objetivo, e muitas vezes bem-humorado, traçou um panorama completo das obras de infraestrutura previstas para Pernambuco no biênio 2015/2016, explicou quais eram os planos do estado para a área e os desafios que precisam ser solucionados.

A apresentação do secretário ocorreu apenas algumas horas após o anúncio do pacote de concessões pelo governo federal, e ele evidentemente não deixou o assunto fora de pauta. Ele destacou que Pernambuco foi positivamente beneficiado no Nordeste, em comparação com os demais estados. “Pernambuco recebeu R$ 6,1 bilhões, enquanto que a Bahia recebeu menos de R$ 6 bilhões e o Ceará R$ 1,8 bilhões.”

Cavalcanti ressalvou contudo que era cedo para fazer avaliações sobre o pacote. “Trata-se de um PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse), ainda há muita coisa para ser regulamentada, é preciso ver como isso será posto em prática.” Dentre os itens que ainda carecem de regulamentação, o gestor apontou a BR 232, que está com uma parte delegada a Pernambuco e outro ao DNIT. “Resta saber: quem vai ficar responsável pela concessão?”, indagou.

Um dos projetos mais relevantes apresentados foi o Arco Metropolitano. Cavalcanti afirmou que o traçado do lote 2 do arco  (que vai ligar Suape a São Lourenço da Mata) já está pronto e que o estado já fez a sua parte, liberando a licença prévia para que o DNIT possa iniciar o processo de licitação do projeto e da obra. O traçado do lote 1, porém, ainda não está definido, pois o projeto inicial previa passagem pela  Área de Proteção Ambiental (APA) Aldeia-Beberibe. O secretário critica a situação: “O traçado pode não estar definido, mas as fábricas da Itaipava e da Jeep já são realidade.”

Outra obra vital, segundo o secretário, é a triplicação da BR 232. “Se a requalificação da via não for feita e a terceira via não for implantada, isso vai complicar a viabilidade de vários projetos imobiliários desenvolvidos na região, como o Alphavile o Três Lagoas.” De acordo com ele, o projeto executivo já está concluído.