Segurança pública é o item que mais afeta a competitividade das empresas em PE, aponta AMCHAM-BRASIL

publicado 13/08/2018 17h42, última modificação 14/09/2018 17h09
Recife - Levantamento conduzido pela Câmara Americana do Comércio ouviu executivos de 100 empresas de diversos portes e segmentos
Pesquisa de Competitividade Regional

A atual precariedade no sistema público de segurança tem comprometido o ritmo de investimentos e crescimento econômico do estado de Pernambuco. Esse foi o principal resultado da Pesquisa de Competitividade Regional realizada pela Amcham Brasil (Câmara Americana do Comércio no Brasil), durante o mês de julho, junto a presidentes e dirigentes de 100 empresas de portes e segmentos variados. A Amcham reúne 5 mil empresas sócias, sendo 400 delas em Pernambuco. 

Perguntados sobre quais as principais desvantagens competitivas de Pernambuco em relação aos outros estados brasileiros, o item segurança pública aparece com 59,3% das respostas, sendo o fator que impacta de forma mais significativa o resultado comercial das empresas locais, ou até as perspectivas de realizar novos investimentos. “Entendemos que o período eleitoral é crucial para unir iniciativa privada e os governantes na construção de uma agenda concreta em prol da nossa retomada econômica. A nossa pesquisa é uma agenda propositiva que identifica pontos de melhorias e diferenciais competitivos em prol da geração de emprego, renda e investimentos”, explica Alessandra Andrade, superintendente Regional da Amcham no Nordeste.

O levantamento da Amcham-Recife mostra também que, na percepção dos entrevistados, há uma defasagem grande em relação aos aspectos de infraestrutura (52,7%). A falta de uma rede integrada de transporte é outra “desvantagem competitiva” de Pernambuco e preocupa 40,7% desses empresários. Questionados sobre o relacionamento direto com o governo estadual, a maioria dos executivos queixam-se também da complexidade de normas/legislação para operar em Pernambuco (62,6%) e também da quantidade dessas normas (49,5%). Muito dessa burocracia está relacionada à carga tributária local, sendo considerada por 71% como pouco ou nada competitiva.

A pesquisa da Amcham Recife identificou que, apesar dos gargalos existentes, o estado de Pernambuco é vistos como um polo regional estratégico. A força competitiva do Estado, segundo 53,8%, está na presença forte de universidades de ponta e centros de tecnologia (53,8%). Outros diferenciais são: o ecossistema de empresas grandes presentes (34,1%), mão de obra qualificada (33%) e facilidades logísticas (27,5%), sendo os aspectos mais relevantes em relação aos outros estados.

PESQUISA COMPLETA DISPONÍVEL NO AMCHAM CONNECT

Os entrevistados defendem vários investimentos em infraestrutura e mobilidade. Para os empresários, o estado deveria priorizar as energias limpas como matriz energética (84,4%, sendo 61,1% solar, seguida de eólica 23,3%). Defendem também a concretização do arco metropolitano (34,4%), investimentos no VLT - veículo leve sobre trilhos (21,1%), na ferrovia Transnordestina (20%) e até mesmo na navegabilidade do Rio Capibaribe (14,4%).

O levantamento completo foi apresentado na segunda-feira (13/8), na sede da Amcham Recife, no ciclo de debates com os candidatos ao governo do estado. O primeiro participante foi Armando Monteiro (PTB), que compartilhou seu projeto de governo e debateu soluções de competitividade para Pernambuco. "Para conseguir estimular a economia é preciso transparência, melhor governança, controle social, evitando problemas que se traduzem em práticas de corrupção”, defendeu Armando Monteiro, na abertura do ciclo do “Seu Estado, Sua Decisão” da Amcham.

Brasil e estados + competitivos

Pela sua vocação multissetorial e prol competitividade das empresas brasileiras, a Amcham lançou, neste ano eleitoral, o programa “Seu País, Sua Decisão”, focado em desenvolver uma agenda de competitividade reunindo propostas da iniciativa privada para os presidenciáveis e candidatos ao governo de estados estratégicos.

No âmbito nacional, os pré-candidatos Ciro Gomes, Álvaro Dias, Henrique Meirelles, João Amoedo e Geraldo Alckmin já assinaram o compromisso de adotar a agenda Amcham baseada em 4 pilares: maior segurança jurídica e atração de investimentos, modernização e simplificação do sistema tributário, fortalecimento das relações bilaterais Brasil-EUA e integração do Brasil nas cadeias globais de valor.

Regionalmente, o programa da Amcham iniciou o calendário em Pernambuco, com apresentação da pesquisa e ciclo de encontros com os principais pré-candidatos ao governo, aguardando a confirmação de agenda das demais lideranças dos partidos que estão liderando as pesquisas de opinião em Pernambuco.

registrado em: