Transparência e comunicação na relação público-privada americana é exemplo para o Brasil

publicado 30/05/2019 13h04, última modificação 04/06/2019 14h40
EUA – Missão de Global Advocacy da Amcham levou 22 executivos brasileiros para imersão em relações governamentais
Missão Internacional Global Advocacy em Washington, DC.jpg

Missão Internacional Global Advocacy em Washington, D.C.

Nos Estados Unidos, a atividade dos grupos de lobby ou advocacy (defesa legítima de interesses do setor privado junto ao governo) é mais transparente. Algumas delas até estão disponíveis para consulta popular. Essa comunicação com o público é um exemplo a ser seguido pelo Brasil, afirma Silvério Zebral Filho, professor da Universidade George Washington e diretor de inovação governamental da OEA (Organização dos Estados Americanos).

Um dos pontos destacados foi a transparência. “O lobby, aqui nos EUA, é super transparente. Você tem registro dos profissionais que trabalham no tema. O encontro entre a defesa do interesse privado e os tomadores de decisão do setor público, em alguns casos, está disponível na internet para os cidadãos acompanharem.”

Zebral foi um dos especialistas em relações governamentais que se reuniu com os 22 participantes brasileiros da nossa 2ª Missão Internacional de Global Advocacy, realizado no início de maio nos Estados Unidos. A missão foi feita em parceria com o Instituto de Relações Governamentais (IRELGOV). Em Washington, o grupo se encontrou com especialistas em assuntos governamentais de empresas, governo e instituições.

O segundo ponto de Zebral é o uso de dados para embasar argumentos e traçar o perfil emocional dos tomadores de decisão. “Os dados são importantes e também o manejo superimportante das emoções que estão por trás dos argumentos racionais. Tem que entender que o comprometimento dos atores ou decisores passa não só por um argumento racional, técnico, econômico e bem estruturado, mas também por mobilizar as emoções.”

Por trás de todo tomador de decisão de política pública, tem um indivíduo. “Ele tem suas aflições, medos e insegurança. E tratar esse tema do sentimento, que parece um tema relativo à psicologia, é substantivo em matéria de relações privadas e públicas e no âmbito das relações governamentais.”

Redes sociais na política

Para o bem e para o mal, a última eleição presidencial americana mostrou o caminho: as redes sociais se revelaram muito mais influentes para os eleitores do que as mídias tradicionais. Foi o que disse Todd Mariano, diretor do Eurasia Group para os EUA.

“O presidente Trump foi, realmente, o primeiro político a demonstrar como os efeitos da mídia social foram usados para vencer uma eleição onde ele era outsider.” As consequências foram profundas. “Outros políticos seguiram suas pegadas (de Trump) e usam as redes sociais. Eles já estão fazendo isso aqui”, comenta.

INOVAÇÃO EM ISRAEL

De 31 de setembro a 8 de novembro, realizaremos a Missão Internacional de Inovação em Israel. O objetivo é apresentar aos participantes o ecossistema de empresas e instituições que tornaram o país um dos mais inovadores do mundo. Para mais informações, entre em contato pelo (11) 5180-3739 ou via [email protected].

Esta será a nossa 3ª Missão Internacional do ano. Já que, na mesma época da Missão de Global Advocacy, também levamos um grupo de executivos para Nova Iorque e Washington para a Missão de Compliance. Conheça outras edições das Missões Internacionais Amcham Brasil aqui.