Uso de free cash flow cresce no mundo, mas ainda é incipiente no Brasil

por agrimaldo — publicado 31/10/2010 13h39, última modificação 31/10/2010 13h39
São Paulo - Conceito consiste em reservar recursos para remunerar quem financia o negócio.

A crise internacional deflagrada no final de 2008 e a consequente escassez de crédito que se viveu mostrou às empresas a importância da adoção de princípios como o free cash flow, que consiste em reservar recursos para remunerar quem financia o negócio (e garantir liquidez para períodos de turbulência) a partir do total de fundos gerados, logo após o pagamento de impostos e custos operacionais. Apesar da disseminação dessa prática globalmente, no Brasil ela ainda é pouco comum, aponta Ciro Cesar Possobom, gerente geral de Finanças e tesoureiro para América Latina da Renault.

"Não adianta a companhia ter bom lucro e gastar tudo em outras contas do balanço. É preciso ter caixa suficiente para pagar, por exemplo, os passivos bancários resultantes da realização de investimentos. O free cash flow é fundamental, pois segue o objetivo de gerar caixa e valores para os acionistas", disse Possobom, que participou do comitê de Finanças da Amcham - São Paulo nesta quarta-feira (06/10).

Para Possobom, o free cash flow é aplicável e importante para todo tipo de empresa, independentemente do nicho de atuação, especialmente as de pequeno porte, que se deparam com custos para obtenção de crédito muitas vezes mais elevados do que os oferecidos às grandes.

Etapas para adesão

Para as companhias interessadas em adotar o free cash flow, o gerente da Renault recomenda alguns passos, tais como:

  • Negociar prazos de pagamentos;
  • Melhorar a performance na área comercial, buscando ampliar a participação de mercado; 
  • Otimizar os ativos, por exemplo, vencer ou alugar imóveis subutilizados.
  • Diminuir despesas correntes, de pesquisa e desenvolvimento, e o nível de endividamento dos clientes; 
  • Ajustar a produção à demanda do mercado, reduzindo estoques;  
  • Priorizar investimentos-chave.


Ele também sugere a definição junto à alta gerência de direcionamentos para adesão aos conceitos de free cash flow em toda a organização, e que a remuneração desses executivos esteja condicionada ao cumprimento de metas nessa área.


"Envolver toda a empresa e promover uma cultura interna de free cash flow é indispensável, começando pelos gestores até chegar aos demais colaboradores", finalizou.