Veja os quatro aspectos econômicos que podem impactar seu negócio em 2020

publicado 21/01/2020 10h30, última modificação 21/01/2020 13h03
Brasil – Cenário externo, relação Planalto-Congresso, tecnologia e inovação e reformas do governo são os pontos de atenção para este ano
Incerteza-quanto-a-governabilidade-de-Bolsonaro-é-ponto-de-preocupação-para-lideranças-de-corporações-e-indústrias,-segundo-pesquisa-Amcham.-José-Cruz-Agência-Brasil.jpg

Incerteza quanto a governabilidade de Bolsonaro é ponto de preocupação para lideranças de corporações e indústrias, segundo Pesquisa Amcham. Foto | José Cruz/Agência Brasil

O ano de 2020 começou e trouxe muitas expectativas e apreensão. Sabemos que é impossível prever os acontecimentos mais impactantes para os negócios, mas, com as informações certas, é possível adiantar os principais pontos de alerta.

E foi exatamente isso que fizemos. Abaixo, listamos quatro aspectos econômicos que podem impactar seu negócio este ano. Veja o nosso mapeamento sobre 2020 e saiba como conduzir sua estratégia:

 

CENÁRIO EXTERNO AINDA COMPLICADO

Segundo o nosso Vice-presidente executivo, Abrão Neto, o cenário do comércio internacional 2020 será um cenário difícil. “Para a gente que está comemorando 2%, parece muito, mas quero lembrar que essas taxas são as menores desde a crise de 2009, ou seja, as menores em uma década”, comenta.

Embora ele acredite que a agenda comercial brasileira – que tem ganhado muita substância nos últimos anos – deve continuar avançando no ano que vem, ele afirma que a ascensão brasileira na OCDE ainda é uma pauta para o longo prazo. “Isso não será concluído neste ciclo político atual porque estamos falando de um processo que leva, no mínimo, de dois a três anos para ser concluído. Embora sejamos o país não membro que mais adotou o acervo normativo da OCDE, ainda faltam dois terços para que nos adaptemos às normas”, pontua.

Para 2020, a abertura comercial gradual também é prevista, por ser uma prioridade para o governo atual e muito pode ser feito sem a aprovação do Congresso. Por exemplo, há ampliação dos acordos comerciais firmados pelo Brasil, dos quais se destacam os com a União Europeia, Coreia do Sul, Singapura e Canadá.

Os maiores riscos neste ano são em relação às eleições nos Estados Unidos, cujo resultado pode gerar volatilidade na economia mundial, e em relação à guerra comercial, para a qual não se espera um acordo permanente que resolva as disputas.  Outro ponto relevante e que entrou na pauta recentemente foi o conflito envolvendo o Irã e os EUA, ainda sem resolução e com diversos desdobramentos na primeira quinzena de 2020.

A América Latina, por sua vez, ainda se sente os efeitos dos diversos protestos que têm ocorrido desde 2013 – como no Chile e na Colômbia – e que também se colocam como risco de instabilidade política.

 

RELAÇÃO PLANALTO-CONGRESSO

De acordo com uma pesquisa que conduzimos em dezembro com as lideranças de corporações e indústrias dos principais setores da economia, apenas uma grande incerteza pode atrapalhar essa recuperação econômica brasileira em 2020. O ponto de preocupação de 69% dos entrevistados é a governabilidade do presidente Jair Bolsonaro e sua capacidade de liderar a relação do Planalto com o Congresso.

Outros 16% entendem que o quadro fiscal dependente de mais reformas estruturais pode gerar incertezas relevantes. Ameaças pela desaceleração da economia global (9%) ou pela falta de confiança de consumidores e investidores (6%) foram citadas por uma parcela menor dos entrevistados.

Os empresários também listaram quais devem ser as prioridades do Governo Federal em 2020. Em ordem estratégica aparece: reforma tributária (53%), ajustes das contas públicas (28%), privatizações (9%), agenda de concessões (6%) e diálogo público-privado (3%).

 

REFORMAS QUE PRECISAM ACONTECER

Com a aprovação da Reforma da Previdência, o termômetro empresarial foi se aquecendo. O mercado e investidores seguem aguardando a apresentação dos projetos e aprovação das demais reformas em pauta no Congresso e no Governo Federal.

A janela reformista ainda está aberta, o que significa espaço para discussão e aprovação de novas reformas, como a administrativa, tributária e reformas fiscais. Em novembro de 2019, o governo entregou um pacote de reformas que propõem medidas fiscais e do Pacto Federativo.

Ainda assim, a aprovação das medidas depende de muitos outros fatores – que incluem a articulação e relação do poder executivo com o legislativo. Por isso, a consultoria Eurasia Group esteve presente no nosso Comitê de Conjuntura de Campinas em novembro de 2019 e avaliou as probabilidades de novas rodadas de reformas.

A projeção é que o Pacto Federativo saia apenas em 2021, dando espaço em 2020 para o Plano de Emergência Fiscal, a PEC dos fundos públicos e a Reforma Administrativa. Já a reforma tributária e a PEC paralela da Previdência têm pouca chance de aprovação (40%), sendo que a probabilidade para a reforma tributária é a aprovação, pelos parlamentares, de um único Imposto sobre Valor Agregado (IVA) federal.

 

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Embora o País esteja avançando com marcos regulatórios que trazem mais segurança jurídica ao empresário do ramo da tecnologia – como a LGPD, por exemplo – ainda existem lacunas importantes nessa área.

Existem vários novos serviços digitalmente ofertados pelas empresas de telecomunicação, mas o grande problema é a falta de infraestrutura para a distribuição do serviço com qualidade. Ou seja, há um esforço, mas esse esforço não está sendo traduzido como melhoria para a grande população.

A questão da educação e mão de obra também impacta o setor: o País tem investido pouco na qualificação de mão de obra para tecnologia e inovação. Um levantamento realizado pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) concluiu que o setor de tecnologia vai precisar de 420 mil profissionais até 2025 – 66% deles com grau de formação especializada em tecnologia de transformação digital. A má notícia é que o setor educacional brasileiro forma apenas 47 mil profissionais da área por ano, um número que não supre a demanda.

 

Expectativas e estratégia: como posso me preparar para 2020?

Saber aproveitar as novas oportunidades e se preparar para os desafios do próximo ano são tarefas imprescindíveis para aqueles que querem crescer em 2020. Pensando nisso, a Amcham preparou uma agenda exclusiva em diferentes cidades do Brasil com especialistas que discutirão tudo que pode afetar seu negócio esse ano. Veja abaixo a lista e se planeje para não perder nada da nossa programação na sua cidade:

 

ABERTO AO PÚBLICO

22/01 – Plano de Voo de Recife: O destino do País em 2020

13/02 – Plano de Voo no Rio de Janeiro: o destino do país em 2020

14/02 - Plano de Voo em São Paulo: O destino do País em 2020

 

O QUE É O PLANO DE VOO?

O Plano de Voo faz parte de nossos fóruns e seminários especiais. São grandes encontros com conteúdo corporativo, focados na evolução e transformação das lideranças. Por ano, são quase dois mil eventos realizados com 90 mil executivos participantes.

PARA QUEM?

Lideranças empresariais, autoridades, especialistas e imprensa. Todos interessados em acessar uma curadoria de tendências, perspectivas e analises mercadológicas, associados ou não.

COMO FUNCIONA?

São focados em setores ou temas. No caso do Plano de Voo, o foco é em tratar das perspectivas para aquele ano, trazendo expectativas econômicas, políticas e de mercado. Para se inscrever, é só acessar o calendário.

 

29/01 - CEO Dinner em Uberlândia: Expectativas econômicas para o Brasil em 2020

 

O QUE É O CEO DINNER?

São nossos encontros exclusivos para aproximar executivos com interesses complementares. Além deles, todos os nossos eventos de conteúdo contam com momento dedicado ao networking. No caso desse CEO Dinner de Uberlândia, por se tratar de um momento de discussão de perspectivas, ele é aberto a não sócios também.

PARA QUEM?

Todos das empresas associadas desde que estejam em linha com o formato ou perfil do encontro.

COMO FUNCIONA?

A Amcham identifica perfis de empresas com sinergia para ofertar ou comprar produtos e serviços. Caso não seja associado, neste CEO Dinner de Uberlândia sobre perspectivas, é possível se inscrever aqui.

 

EXCLUSIVO PARA SÓCIOS

22/01 - Comitê de Conjuntura em Porto Alegre: Perspectivas econômicas para 2020

28/01 - Comitê de Conjuntura em Campinas: O que esperar de 2020?

29/01 - Comitê de economia e finanças em Belo Horizonte: Perspectivas econômicas para 2020

 

O QUE SÃO OS COMITÊS DA AMCHAM?

Nossos comitês abertos são encontros periódicos entre executivos de diversos segmentos voltados para atualização, benchmarking e networking.

PARA QUEM?

Todos os associados sem limites de participantes, sendo encontros gratuitos.

COMO FUNCIONA?

Temos cerca de 110 comitês em atividade, produzindo conteúdos presenciais de diversos temas divididos em várias frentes de atuação. Para se inscrever em alguma atividade, é só acessar o calendário e realizar sua inscrição!