Vigor reabriu capital após quatro anos e comprou concorrente

por simei_morais — publicado 03/04/2013 15h19, última modificação 03/04/2013 15h19
São Paulo – Indústria láctea apresentou projeto de captação no comitê de Finanças da Amcham
mauricio_hasson.jpg

A Vigor Alimentos, dona das marcas de produtos lácteos Danúbio, Faixa Azul e Leco, também apresentou como voltou à bolsa de valores e captou recursos, no comitê aberto de Finanças na Amcham – São Paulo, nesta quarta-feira (03/04). O evento tarefas necessárias para se candidatar a uma operação do tipo.

A Vigor fez a mesma lição de casa que a apresentada pela doceria Amor aos Pedaços, porém, sob uma complexidade adicional. A organização, de 95 anos, já havia tido capital aberto por 24 anos, mas voltou a fechá-lo em 2008, quando o grupo Bertin a comprou da família Mansur. Mas a reabertura foi considerada quando a empresa passou a ser controlada pela gigante de proteína animal JBS, que detém o maior frigorífico do mundo.

No entanto, uma operação se desenhava para a Vigor: a cisão voluntária administrativa e financeira do JBS. “As duas eram de tamanhos e motivações diferentes e a Vigor merecia ser conduzida de forma independente”, recorda Maurício Hasson, diretor de Finanças e de Relações com Investidores. O próprio faturamento mostra a diferença: enquanto o faturamento da empresa de lácteos, que opera apenas no Brasil, foi de R$ 1,5 bilhão, em 2012, a JBS cravou R$ 70 bilhões.

Na separação, a JBS anunciou que a Vigor voltaria à bolsa de valores, reabrindo seu capital. Na operação, os acionistas do grupo teriam direito de obter a mesma participação na Vigor. “A Vigor renasceu nessa operação com a preocupação em governança muito forte. O fato de a transação ser voluntária, era um indicativo de que a companhia tinha essa preocupação firme em relação à governança corporativa”, afirma.

No retorno à Bovespa, em junho do ano passado, a promessa era de que a empresa buscaria a expansão. Em fevereiro deste ano, a Vigor anunciou a compra de metade da concorrente Itambé, por R$ 410 milhões.

Leia mais:

Estruturação interna é ponto de partida para captação de recursos

Amor aos Pedaços quer expandir franquias com sócio financeiro

A escalada da Qualicorp com três captações de recursos em três anos