53% dos consumidores consideram propósito social das empresas como critério de compra

publicado 20/09/2013 15h24, última modificação 20/09/2013 15h24
São Paulo – Brasileiros estão entre os que mais valorizam práticas socioambientalmente responsáveis
comite-de-marketing-253.html

A preocupação dos consumidores com a responsabilidade socioambiental das empresas vem aumentando significativamente a cada ano, em especial no Brasil. De acordo com Jorge Pereira da Costa, da consultoria Roland Berger, que falou na última reunião do Comitê de Marketing da Amcham, em 18/09, os brasileiros acreditam ter um papel importante na resolução de problemas sociais e querem que as organizações valorizem igualmente seus negócios e a sociedade.

“O consumidor está disposto a reconhecer ou punir as empresas que suportam ou não boas causas”, afirma. “Sete em cada 10 brasileiros reduziriam sua disposição de comprar ou recomendar produtos de empresas que praticam "propaganda enganosa". Estamos nos tornando cada vez mais consciente dos impactos ambientais e, consequentemente, cobrando atitudes ecologicamente corretas.”

Nesse cenário, Costa ressalta a importância de as organizações utilizarem o chamado propósito social como uma estratégia de branding, divulgando suas atividades sociais e se esforçando para manter um equilíbrio entre negócios e ações relevantes para a sociedade, o que agrega valor às marcas.

Uma pesquisa realizada em 2012 pela consultoria mostra que os critérios do Marketing tradicional, como prestígio e reconhecimento, estão perdendo espaço para aqueles com propósito social. Na hora de decidir entre dois produtos com mesmo preço e qualidade, 90% dos consumidores afirmam levar em consideração o compromisso com a eficiência energética; 89% procuram selos de proteção ambiental nos produtos; 87% se preocupam com a ausência de testes em animais; 86% pesquisam sobre as condições de trabalho oferecidas pela empresa; e 85% consideram o bom relacionamento da organização com a comunidade.

“Acredito que o estágio de desenvolvimento dos países e o acesso ou não a serviços fundamentais, como educação e saúde, por exemplo, são fatores que influenciam no interesse em buscar e exigir responsabilidade socioambiental”, diz Costa.

registrado em: