Ações de educação corporativa devem se enquadrar na estratégia da empresa

por marcel_gugoni — publicado 21/08/2012 17h32, última modificação 21/08/2012 17h32
Recife – Medir os resultados das iniciativas e obter envolvimento dos gestores ajuda a garantir efetividade.
foto_rogerio_morais195.jpg

A estratégia de oferecer cursos, capacitações e incentivos para educação ajuda a reciclar conhecimentos e reter talentos, mas deve-se analisar a relevância dessas ações dentro da estratégia de cada empresa. Para que essas ações impactem positivamente nos resultados da companhia, é importante que estejam alinhadas à sua missão, visão e valores.

Veja aqui quais são as vantagens de ser sócio da Amcham

Rogério Morais, sócio-diretor da Newmark, e Elda Madruga, consultora em Educação Corporativa da CreSer, falaram sobre o assunto no comitê de Gestão de Pessoas da Amcham-Recife na última quinta-feira (16/08).

“A aprendizagem organizacional gera conhecimento, o qual gera valor, que eleva a produtividade e aumenta a competitividade. Hoje este é o grande canal para produzir resultado para a empresa”, afirmou Morais.

O executivo aponta que um caminho para incorporar aprendizagem à estratégia é definir um responsável pelo assunto, criando um setor de educação corporativa.

Quer participar dos eventos da Amcham? Saiba como se associar aqui

Elda Madruga acredita que essa área, para estruturar suas ações, necessita se preocupar em responder a questões como qual o negócio da organização, seus stakeholders e a finalidade maior da empresa. 

A partir de então é possível, alinhar a educação corporativa aos objetivos da empresa. “Ela vai focar em quais são os conhecimentos pertinentes ao negócio e explorar uma expertise nessa área. Esse é o grande desafio”, comenta Elda. 

Monitoramento de impacto

O monitoramento do impacto das ações é um fator muito relevante para medir a efetividade das capacitações. “Deve-se incluir a educação corporativa na ferramenta de gestão estratégica. Caso se utilize o balanced scorecard, por exemplo, deve-se acrescentar esse impacto na dimensão ‘aprendizado’”, indica ela.

Leia também: Gestão eficiente do tempo amplia produtividade e melhora qualidade de vida

Garantir a adesão dos funcionários às ações desenvolvidas também deve ser uma preocupação. Nesse caminho, a conscientização é fundamental. “A sensibilização é levar os colaboradores à reflexão de por que um determinado curso é interessante tanto para os negócios da empresa quanto para o profissional”, afirma a consultora.

Morais reforça que o envolvimento da gestão é fundamental. “Não apenas os diretores, mas toda liderança média têm 100% de responsabilidade de fazer essa cultura da educação acontecer”, completa.

Leia mais: Universidades têm papel fundamental na formação da cultura do empreendedorismo, afirma especialista do CNPq

Ambos os especialistas concordam que, não importa o tamanho da companhia, cursos e capacitações alinhados à estratégia serão sempre uma ferramenta que permite potencializar os resultados. 

Morais destaca que “a educação corporativa precisa ser construída e evoluir junto com a empresa”. Logo, quanto antes esse processo começar, melhor.

registrado em: