Boa gestão financeira na cadeia logística envolve estratégia de investimentos e análise de risco

publicado 27/04/2018 14h24, última modificação 27/04/2018 14h24
Recife – Especialistas da Grant Thorton e Brilux participaram de evento no dia 20/04

Dentro do supply chain, um dos fatores que garante mais competitividade é a gestão das movimentações financeiras e resultados. Apenas com essa capacidade é que a organização consegue identificar em que momento e local da cadeia devem investir, se é preciso realocar recursos ou definir preços e descontos. No entanto, integrar a logística física e a financeira ainda é um desafio, principalmente em um mercado cada vez mais competitivo e tecnológico. Isso pode trazer sérios problemas aos negócios, como problemas nos estoques, na mensuração do retorno sobre investimento, aumento de custos e ineficiência em transações.

Passar por uma boa estratégia de investimentos, pensar em boas práticas de gestão e otimizar valores de investimentos foram alguns dos pontos apontados como chaves para uma boa gestão financeira na cadeia de suprimentos. Esse foi o tópico abordado durante o comitê de Logística da Amcham - Recife. Hugo Luna, Sócio na Grant Thorton, e Antônio Bolzani, Diretor de Logística e Suprimentos na Brilux, trouxeram suas perspectivas para o público no dia 20/04.

Luna comentou sobre os aspectos estratégicos para decisões de investimento, como o negócio e a localização. Para avaliar os riscos, o especialista apontou observar principalmente se o custo operacional é elevado, se o preço ou o produto não são competitivos e também a qualidade de entrega – tudo isso deve entrar na conta. O especialista também trouxe indicadores que compõe o estudo de viabilidade econômico-financeira dentro da cadeia logística.

Além dessas perspectivas, é muito importante saber analisar a cadeia logística como um todo para fazer investimentos de sucesso, como afirma Bolzani. Gerir custos, despesas e captar oportunidades de melhora são alguns bons exemplos de boa gestão. O papel do gestor é essencial para conciliar conflitos entre comercial, financeiro e produção.