Business Round Up: Para evoluir em TI, Brasil precisa desenvolver capacidade de inovação

por marcel_gugoni — publicado 10/10/2012 15h58, última modificação 10/10/2012 15h58
São Paulo – Brasscom espera crescimento do setor na casa de 8% em 2012, abaixo da média entre 10% e 12% nos últimos dez anos.
antoniogil_195.jpg

O setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) movimentou US$ 215 bilhões no Brasil em 2011, o equivalente a 8% do Produto Interno Bruto (PIB). O montante coloca o País entre os cinco maiores players mundiais no segmento.

Veja mais: Brasil terá 2013 de recuperação, com crescimento na casa dos 4%

TIC vem crescendo a taxas de 10% a 12% ao ano nos últimos anos, mas em 2012 a estimativa é de avanço de 8%. “Um número saudável, mas menor do que o visto anteriormente”, diz Antonio Gil, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). Ele participou da Business Round Up realizada pela Amcham-São Paulo nesta terça-feira (09/10).

Crescer mais requer que o Brasil avance em alguns pontos, com destaque para a capacidade de inovar. “Hoje somos grandes usuários de tecnologia, mas não temos grande atuação em criação e inovação”, lamenta Gil. “O Brasil pode inovar mais, dado o grande potencial que tem.”

De acordo com o representante da Brasscom, enquanto TIC no Brasil movimenta 8% do PIB, nos Estados Unidos responde por 10% a 12%, na Coreia do Sul, quase 15%, e em Israel, mais de 15%.

Para Gil, oportunidades de acessos móveis e multicanalidade oferecem campos de grande expansão. ““Precisamos levar em conta que estamos em um momento de mudança tecnológica e entrando na era do cloud computing e da mobilidade. Tudo o que será feito daqui para a frente terá acesso via celular e os dados produzidos surgem em escala cada vez maior. É o que chamamos de big data. E muito desse avanço [da tecnologia] passará a ocorrer em áreas de saúde, educação, segurança e bancarização”, prevê.

Leia a cobertura completa da Business Round Up

registrado em: