CEO da Livraria Cultura: modelo de varejo que conhecemos está implodindo

por andre_inohara — publicado 26/09/2012 12h32, última modificação 26/09/2012 12h32
Salvador – Sérgio Herz antevê fortes mudanças para o segmento nos próximos anos, explorando a multicanalidade.
foto_sergio_herz.jpg

A crescente presença de grandes redes de varejo na internet e o aumento do número de lojas exclusivamente virtuais colocam um novo desafio para o segmento: integrar os canais de compra físico e online oferecendo uma experiência completa ao cliente. O alerta vem de Sérgio Herz, CEO da Livraria Cultura.

“O modelo de varejo que conhecemos está implodindo e veremos mudanças radicais nos próximos anos”, afirmou Herz, que participou do CEO Fórum da Amcham-Salvador na última sexta-feira (21/09).

Ele aponta que a tendência para o varejo é se transformar em um “negócio multicanal”, com espaço para o relacionamento com o consumidor na esfera virtual, mantendo também a loja física como muito importante.

Loja física não vai acabar

Herz defende que não existe consumidor “monocanal”. Ele está presente tanto na loja virtual quanto na física.

“Os restaurantes não vão acabar porque existe delivery. Vamos ao restaurante não apenas por conta da comida, mas pela socialização, pelo relacionamento” compara. “O mesmo vale para as lojas”, completa.

Nesse sentido, o executivo aponta para formatos em que os espaços físicos ofereçam não apenas produtos, mas também experiências. O importante, segundo Herz, é oferecer uma solução para o consumidor não importa a forma de contato que ele tenha com quem oferece o produto.

Evolução no varejo multicanal

Herz lembra que, a partir de 1994, começaram a surgir na internet novos empreendedores oferecendo os mesmos produtos das lojas físicas. Os varejistas, a partir de então, passaram a migrar para a esfera virtual.

“O principal erro foi que esses varejistas pensaram a loja virtual como um negócio separado da loja física. Acharam que estavam tratando com um novo consumidor, e praticaram inclusive políticas de preços diferentes. O consumidor, vendo que poderia comprar mais barato na internet, se afastou da loja física”, afirmou Herz.

Ele completa afirmando que, devido a esse movimento, o consumidor hoje muitas vezes usa a loja física como um showroom, mas compra na internet.

Prova do fenômeno descrito por Herz é o crescimento dos varejistas puramente online nos EUA. “Empresas como Amazon e eBay, presentes apenas na internet, cresceram em média entre 30% e 40% no ano passado.” Por outro lado, os varejistas que estão presentes tanto no mundo físico quanto no online registraram aumento de, em média, 15% em sua operação virtual no mesmo período.

Veja aqui: Estar presente na internet e em redes sociais é essencial para qualquer empresa, garante executivo de agência de publicidade

Case Livraria Cultura

A saída encontrada na Livraria Cultura para ampliar o relacionamento presencial com o cliente, explica Herz, foi oferecer nas lojas uma série de atividades que coloquem o consumidor em contato com o universo cultural disponibilizado pela empresa no conteúdo dos produtos vendidos.

“As lojas têm que ser para nós um centro de entretenimento e cultura para a comunidade que está no seu entorno. Precisam ser um lugar onde as pessoas vão não apenas para comprar”, comenta.

Teatros, auditórios, cafés e até mesmo espaços gourmet estão instalados nas diversas lojas da Cultura em todo o Brasil. “O cliente pode comprar um livro de culinária pela internet e na loja física oferecemos a experiência de estar dentro deste livro, com aulas de culinária ministradas por chefs convidados, por exemplo”, comenta Herz.

O projeto Vira Cultura, uma maratona de 35 horas de atividades culturais realizadas nas lojas da cidade de São Paulo, é outro exemplo desta estratégia. Exposições, workshops de arte, debates, aulas de bem-estar e ginástica, mostras de filmes, sessões de autógrafos, atividades de fã clubes, recitais, shows e apresentações teatrais fizeram parte da programação.

“O evento é uma junção de tudo que fazemos durante o ano. No ano passado, o público que acompanhou diretamente o evento foi de 15 mil pessoas”, completa.

Investimento em Pernambuco

Durante o CEO Fórum, Herz adiantou que a capital de Pernambuco foi escolhida pela Livraria Cultura para sediar a segunda loja Geek.etc.br do Brasil. Com inauguração prevista para novembro, a unidade ficará localizada no Shopping Paço Alfândega.

“Este é um projeto novo que lançamos em abril deste ano em São Paulo. É uma loja completamente focada no público geek, também conhecido como nerd descolado. Ela abarcará os segmentos de games, quadrinhos e gadgets em geral”, informou.

Segundo o executivo, a escolha do Recife e, especialmente do Shopping Paço Alfândega – localizado no bairro Recife Antigo -, se deve ao fato da grande concentração de empresas de tecnologia na região, o que cria um polo geek na cidade.

Ele não revela números do investimento realizado para a construção da nova loja mas conta que ela possuirá cerca de 300m² e que foi uma ideia criada pelos próprios funcionários da Cultura.

“É uma nova unidade de negócios, um mercado onde temos possibilidade de expansão. Temos um plano de crescimento bastante agressivo, e este deve virar um novo varejo para a Livraria Cultura”, explica Herz. De acordo com o CEO novas lojas da livraria a serem inauguradas em Manaus e Rio de Janeiro, já contarão com a presença da Geek.etc.br em seu espaço.

Veja aqui: Marca forte é construída quando o produto tem qualidade, afirma sócio da FOM

Produtos

Herz comenta que os produtos que serão encontrados na nova loja complementam o catálogo já encontrado nas lojas da Livraria Cultura. “Produtos como colecionáveis, roupas geeks, camisetas, jogos e alguns equipamentos eletrônicos estarão na loja”, conta.

Além disso, ele indica que a loja apresentará novos produtos todas as semanas. “Ela estará em constante evolução. Você vai a uma loja como esta e toda semana tem coisa nova. E se você não comprou naquela semana, na próxima pode ser que aquele produto não esteja mais presente”, afirmou.

Veja aqui: Indústria de consumo disputa clientes com outros setores e baixa preços para impulsionar experimentação de produtos

 

 

registrado em: