Com big data, mineradora descobriu que poderia ter processo mais eficiente de parada técnica

publicado 10/04/2015 15h37, última modificação 10/04/2015 15h37
São Paulo – Consultoria Accenture desenvolveu o projeto em conjunto com a empresa
daniel-lazaro-1648.html

Para o consultor Daniel Lázaro, líder de Data & Analytics da Accenture para a América Latina, bons projetos de big data costumam apresentar resultados pouco tempo depois de adotados pela empresa. No comitê de Logística da Amcham – São Paulo (8/4), Lázaro contou como uma mineradora ganhou tempo e recursos reprogramando paradas técnicas de manutenção em uma de suas minas.

“O projeto se pagou em questão de meses”, disse Lázaro. “Normalmente, eles (os projetos) se pagam. Mas não tem uma bala de prata, um número mágico de quanto costuma ser o retorno”, afirma.

Para ele, uma nova metodologia de trabalho que possibilitou o cruzamento mais preciso de informações da base de dados da empresa e dos fornecedores é que determinou o ganho de produtividade. “Não foi preciso instalar um novo sistema para juntar tudo isso, o que eliminou de cara esse custo.”

Caso prático

Lázaro contou que com estudos de big data, descobriu que poderia economizar com o processo de paradas técnicas de manutenção da mina. “Conseguimos prevenir falhas de produção que geravam um impacto de dezenas de milhões de dólares em função de paradas não programadas”..

Usando uma plataforma de cloud, a consultoria conseguiu deduzir, com base no histórico de operação e forma de procedimentos, qual seria a próxima necessidade de parada. “Conseguimos mostrar à alta gestão que a previsão de falhas foi mais assertiva. O negócio está sendo expandido para as demais minas do grupo, usando a mesma tecnologia.”

O sucesso da iniciativa foi devido à liberdade que a equipe teve para executar o projeto e o acesso às informações. "Essas foram as características que fizeram o negócio dar certo", resume.

registrado em: