Crítico para empresas, RH pode mensurar dados como ROI e KPI

publicado 26/09/2014 15h29, última modificação 26/09/2014 15h29
São Paulo – ROI de capital humano foi negativo para grandes empresas em 2013, diz SAP
comite-de-gestao-de-pessoas-1331.html

Muito utilizados por áreas como vendas, operação e finanças, ferramentas como ROI (return on investment) e KPI (key performance indicator) também se aplicam ao RH, que tem sido cada vez mais estratégica para as companhias no mundo todo. Os conceitos foram abordados por João Lins, sócio de People & Change da PwC, e Marcelo Carvalho, diretor de Recursos Humanos da SAP, no comitê aberto de Gestão de Pessoas da Amcham – São Paulo, sexta-feira (26/09).

O ROI permite indicar o lucro gerado a partir dos recursos aplicados em capital humano, uma área cada vez mais crítica para as companhias, destaca João Lins. “A estratégia de gestão de pessoas é a área em que os CEOs estão mais realizando mudanças. Ter indicadores consistentes para gestão do capital humano e conhecer o posicionamento da empresa no mercado é uma prioridade”, explica.

Ele cita pesquisa com CEO’s globais feita há 17 anos pela PwC em que a disponibilidade de pessoas qualificadas tem se tornado a principal ameaça para as empresas. Há gestores que relatam ter desistido de adotar novas estratégias por falta de talentos adequados. “Trata-se de um problema estrutural, e não conjuntural. Hoje, com a dinâmica do mercado, as competências demandadas mudam a cada seis ou sete anos”, comenta.

Diante da relevância dessa área os negócios, é fundamental analisar o retorno de investimentos em capital humano, diz o consultor. O resultado pode ser encontrado por meio da fórmula Receita – (custos e despesas operacionais – custo total de pessoal)/Custo total de pessoal. “Há variações, mas esse é o indicador básico”, cita.

Os investimentos avaliados são todos os recursos aplicados em remuneração, benefícios, treinamento, gestão de RH e outros custos do setor.

ROI por setor

É possível mensurar o ROI em capital humano individualmente, por cada funcionário, e também por grupo de empresas ou setores. O último ano não foi de resultados positivos para 110 grandes companhias analisadas pela PwC. De 11 setores, elas possuem 1,6 milhão de colaboradores e faturamento de US$ 850 bilhões, o equivalente a mais de um terço do PIB brasileiro.

Segundo Lins, manteve-se o mesmo faturamento por empregado de 2012, enquanto os custos aumentaram 11%, além do crescimento das despesas administrativas e financeiras, o que causou redução do lucro líquido.

O lucro por empregado caiu 22%, enquanto o retorno de investimentos sobre capital humano recuou 17%. “As razões são desligamento e redução da remuneração, principalmente variável”, indica. “Isso explica muita coisa que está acontecendo em 2014: todos fazendo esforço muito grande para recuperar resultados, contendo investimentos”, declara.

Indicadores-chave

Além do ROI, o RH pode se valer do KPI (key performance indicator), outro conceito de mensuração de resultados ligado ao desempenho das equipes. “São ferramentas que ajudam na eficácia do RH”, ressalta Marcelo Carvalho.

Ele cita programas híbridos da SAP (que se adaptam a outras plataformas de gestão) que medem a performance de todos os colaboradores e identificam os principais talentos de cada setor. O resultado pode ser visto on line, com gráficos, fotos e dados de cada profissional, permitindo que líderes à distância possam tomar decisões sobre o RH das unidades.

Com isso, é possível a companhia direcionar esses dados para o cumprimento de suas estratégias, como controlar e medir a retenção de talentos, identificar os profissionais com maior potencial, auxiliar no recrutamento interno e nos processos de sucessão.

“Na SAP, temos resultados como 94,5% de retenção e 85% de posições gerenciais preenchidas por recrutamento interno”, exemplifica.

registrado em: