Diretora da Avon diz que empresas têm de igualar condições de competição para homens e mulheres

publicado 01/12/2015 15h12, última modificação 01/12/2015 15h12
São Paulo - Para Ana Beatriz Costa, a igualdade tende a aumentar resultados financeiros e produtividade
ana-beatriz-costa-8848.html

Um estudo global realizado pela consultoria McKinsey revelou que se as mulheres tivessem as mesmas condições dos homens no mercado de trabalho, seriam acrescidos US$ 12 trilhões ao PIB mundial. A pesquisa foi apresentada no Encontro Sobre o Empoderamento da Mulher, realizado na sexta-feira (27/11) na sede da Amcham Brasil em São Paulo.

Para Ana Beatriz Costa, diretora executiva jurídica para a Latam da Avon,  as organizações o principal problema a ser resolvido para igualdar gêneros no mercado de trabalho é a falta de paridade na competição. “Para atrair esses profissionais, a maioria das empresas tem condições muito semelhantes de salários e benefícios. O grande gargalo acontece na hora da meritocracia, na hora da competição em si para a promoção e até para galgar cargos maiores. Então, o que vai fazer diferença é dar condições de igualdade (para mulheres e homens competirem)”.

O benefício de promover uma competição igualitária no ambiente de trabalho só trás benefícios às empresas. “Hoje temos uma participação de cargos de direção e apenas 5 ou 6% inboard de empresas nacionais. As mulheres estão estudando mais, e quanto mais se dá acesso à cargos de liderança, a produtividade e o resultado financeiro dessa empresa tende a aumentar cada vez mais”, explicou Costa.

A diretora da Avon ainda faz um alerta às mulheres para não se sentirem constrangidas em terem alcançado altos cargos. Para ela, todas devem acreditar que chegaram aonde estão porque são competentes, e não podem deixar se abater por comentários de que tiveram algum benefício ou ajuda injusta apenas por serem mulher.

“O que a mulher está aprendendo é não se vitimizar. Entender e trabalhar com as diferenças com uma inteligência emocional que permita que ela seja protagonista da própria história sem se culpar. Tem de acreditar nela, acreditar que pode ter muitos papéis ao mesmo tempo e ser solidária. A mulher de tem de ser solidária uma com a outra, se ajudar para galgarem posições maiores e esquecer essa culpa e cobrança exacerbada”, concluiu Ana Beatriz Costa. 

 

registrado em: