Em Recife, varejo crescerá 6% em 2013, calcula economista

por marcel_gugoni — publicado 04/02/2013 09h17, última modificação 04/02/2013 09h17
Recife – Expansão do PIB, distribuição de renda e oferta de crédito são fatores que influenciam positivamente os resultados do segmento.

O varejo da região metropolitana de Recife, impulsionado pelo desempenho do PIB local, deverá crescer 6% em 2013. O resultado é 105% superior ao desempenho de 2004, quando teve início um grande ciclo de desenvolvimento. A estimativa é de Luiz Kehrle, economista e consultor da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco (Fecomércio/PE).

Veja aqui quais são as vantagens de ser sócio da Amcham

“O período de 2004 a 2012 é seguramente o maior ciclo de crescimento do varejo já registrado em Recife e as perspectivas continuam positivas para os próximos anos” afirmou Kehrle durante o Seminário Perspectivas Comerciais, realizado pela Amcham-Recife, em 30/01. 

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Pernambuco é uma das razões mais importantes para este avanço, aponta. “O aumento do PIB está muito atrelado ao crescimento da prestação de serviços, setor que absorve grande volume de mão de obra, gerando emprego e renda. O acesso à renda impulsiona o varejo”, destacou Kehrle. 

A ampliação do crédito para pessoas físicas e a redução da taxa de desemprego são outros pontos que entram na conta da ascensão do mercado varejista. “Uma combinação de aumento do emprego com aumento dos salários e do crédito influencia o desempenho do varejo”, afirma. 

“Existe, além disso, a questão da distribuição de renda. O Brasil é um país que está jogando renda para as classes menos favorecidas que possuem como característica uma alta apropriação do consumo”, complementa. 

Desempenho da indústria

Analisando o quadro nacional, Kehrle comenta que o cenário também é positivo, mas exige atenção no longo prazo.   

"A demanda do varejo tem crescimento maior que a indústria do Brasil. Isso não pode continuar em longo prazo e a única alternativa é investir no aumento da produtividade da indústria desde já."

registrado em: