Empresas esperam poucas oportunidades e muita concorrência em 2015

publicado 23/01/2015 13h21, última modificação 23/01/2015 13h21
São Paulo – Ford, Avon, Whirlpool, Porto Seguro, CBRE e Guabi Petcare apresentaram expectativas modestas para este ano
oportunidades-foto01.jpg-3080.html

Para empresas de diversos setores, o ano de 2015 será marcado por baixos investimentos e intensa disputa por clientes. No Seminário de Perspectivas Comerciais, Econômicas e Políticas para 2015, que a Amcham – São Paulo realizou na quinta-feira (22/1), Ford, Avon, Whirlpool, Porto Seguro, CBRE e Guabi Petcare disseram esperar um ano de economia enfraquecida e poucas oportunidades de crescimento.

Jorge Chear, diretor de marketing e vendas da Ford, disse que a montadora trabalha com projeções menores de vendas em 2015. “Nossa indústria depende de crédito, e as ações do governo [de acabar com a isenção de impostos e aumentar a taxa de juros] trarão forte impacto nos financiamentos”, argumenta.

Para contornar a perspectiva de ano mais fraco, a montadora ressalta o investimento na padronização mundial dos modelos [o que tende a reduzir despesas com manutenção e lançamento de produtos em diversos mercados]. “Globalizamos nossos produtos. O portfólios de modelos está alinhado com as demais operações no mundo e, com isso, podemos fazer renovações na mesma cadência que os que estão espalhados. Isso vai ser grande força para o marketing”, comenta.

Outra empresa do setor de consumo, a Whirlpool (dona das marcas Brastemp, Consul e KitchenAid), deve ser agressiva na manutenção de mercados. Paulo Miri, diretor comercial da Whirlpool, disse que 2015 é o momento de agarrar todas as oportunidades. “Ninguém troca de geladeira todo ano. Se eu perder uma venda hoje, só vou ter outra chance daqui a cinco anos”, argumenta.

Diante do cenário pessimista, a Avon disse que vai mexer em sua estratégia de mercado. “Vamos reformular a proposta de serviços e o plano de negócios, de modo a preservar as margens e reter nossas revendedoras”, adianta Eduardo Ribeiro, vice-presidente de vendas da Avon. A empresa também vai investir pesado em treinamento e capacitação de pessoal.

A estratégia de capacitar a equipe de vendas também faz parte das ações da CBRE, que atua em serviços imobiliários. “Continuaremos investindo em TI (Tecnologia da Informação) e treinamentos como forma de desenvolver oportunidades”, afirma o executivo Mark Turnbull, gerente sênior de novos negócios da CBRE.

Perspectivas otimistas em outros setores

No setor financeiro, a projeção é otimista. Eva Miguel, diretora comercial da Porto Seguro, revela que a empresa pretende manter investimentos em novos produtos. “Se contrato um seguro para residência, também posso contratar uma apólice de proteção familiar ou um alarme monitorado”, assinala. Para ela, os lançamentos vão levar em conta a sinergia com outros produtos.

Outro segmento com perspectivas mais animadoras é o de petcare. “Será um ano difícil para nós, mas não vamos tirar o pé do acelerador”, revela Alexandre Wolff, diretor de vendas da Guabi Petcare. A fabricante de rações animais disse que uma das formas de crescer no mercado é aumentar as ações de fidelização. “Nosso setor é muito sensível ao trade marketing (relações com consumidores). Posso oferecer um comedor para quem comprar dez pacotes de ração. O custo de um comedor é muito baixo”, exemplifica.

Para o consultor Bruno Furtado, sócio líder da consultoria McKinsey, o foco em qualificação profissional e preservação de margens são ações necessárias para enfrentar um ano que não deve ser favorável aos negócios. “O ano de 2015 deve ser de baixo crescimento, com o consumidor desconfiado e um cenário político instável. O que vai fazer diferença na área comercial é a granularidade nas vendas, controle do trade marketing e sofisticação na precificação (definição de preços conforme realidade de mercado).”

registrado em: