Executivos devem se importar menos com quantidade de trabalho e focar nos resultados, diz psiquiatra

publicado 17/03/2016 16h11, última modificação 17/03/2016 16h11
São Paulo - Para Frederico Porto o estresse, apesar do mal que causa, ainda é bem visto no ambiente corporativo
executivos-pic01.jpg-1884.html

O estresse é um mal recorrente na sociedade moderna. A doença pode se manifestar silenciosamente e causar sintomas como tensão muscular, ansiedade, sono ruim, perda de produtividade e outros. Mesmo assim, o trabalhador estressado ainda é bem visto no mundo corporativo. Essa é visão de Frederico Porto, médico psiquiatra e nutrólogo, palestrante do Comitê Estratégico de Recursos Humanos sobre Qualidade de vida produtiva – o executivo como um atleta corporativo, na quinta-feira (17/3), na sede da Amcham Brasil, em São Paulo.

Segundo Porto, o ideal é que fossem valorizados os resultados entregues e não o sacrifício pessoal. “O fato de a pessoa estar estressada é bem visto. Nós temos que entender o seguinte: você tem que focar nos resultados. E ninguém disse que para entregar resultados, você tem que se matar. Muito pelo contrário, se você se cuidar como um atleta, você vai ficar bem e entregar os mesmos resultados. Então foque nos resultados e cuide de si mesmo”, disse.

O médico ainda destaca uma solução simples que pode ajudar muito no combate ao estresse. “Ele tem que aprender a respirar. Se aprender a respirar, ele vai ser capaz de mudar o seu estado emocional. Isso é muito poderoso. Se tem uma coisa que eu posso acertar, é essa”.

Durante a palestra, Porto apresentou argumentos para explicar porque a vida do executivo é mais intensa do que a de um atleta. “Um atleta treina 90% do tempo. Um executivo é exatamente o contrário, ele passa 90% do tempo dele na competição. Ele só tem 10% de treino. Então a vida do executivo é muito mais complexa”, concluiu.

Confia a entrevista completa com Frederico Porto em vídeo

 


registrado em: