Indicadores-chaves devem se alinhar à estratégia do negócio

publicado 19/03/2014 15h35, última modificação 19/03/2014 15h35
São Paulo – Tendência é de que finanças comandem a execução dos indicadores com integração de todas as áreas
comite-aberto-de-financas-4698.html

Essenciais para medir o desempenho do negócio e da concorrência, os KPIs (key performance indicators, ou indicadores-chaves de performance) devem ser geridos por Finanças de forma integrada com todas as demais áreas. O caminho é defini-los de acordo com a estratégia de negócio adotada pela companhia, dizem Luiz Viotti e Cida Hess, sócio líder de consultoria em Finanças e sênior manager da PwC (confira a apresentação completa aqui).

Eles estiveram no comitê aberto de Finanças da Amcham – São Paulo na terça-feira (18/03). O encontro também contou com Rodrigo Purchio, gerente de Estratégia Corporativa da Volkswagen, que abordou a gestão de desempenho por meio da metodologia BSC (Balanced Scorecard), na operação brasileira da montadora.

Finanças e indicadores

“O financeiro é o coração da operação”, diz Viotti, sobre o papel da área com os indicadores. “O ciclo de EPM (Enterprise Project Management) é fundamental para definição de KPIs adequados à gestão”, afirma o consultor.

“Como buscamos alta performance com o EPM, os KPIs, por consequência, se tornam um conjunto complexo, com começo, meio e fim”, comenta Cida Hess.

Segundo Viotti, a participação de todas as áreas na execução dos indicadores se deve justamente à estratégia da empresa, que é comum para todos os departamentos. Para o processo ter sucesso, a comunicação dos KPIs é imperativa, tanto em mídias internas quanto nas reuniões.

Na prática

“Com os executivos, é importante repassar os incentivos, por exemplo. A empresa ganha em lucro, em caixa, enquanto os profissionais ganham em bônus”, cita o consultor.

Viotti adverte que os indicadores não são apenas baseados em itens internos, mas devem considerar informações do setor, da concorrência, dos investidores e especialistas, incluindo big data.

“Mas cada segmento tem seus tipos de indicadores. Os de uma indústria não servem para outra”, alerta.

Tal processo de alta performance, diz Cida Hess, impacta as equipes de finanças das empresas. Estudos da PwC mostram que esses grupos gastam 17% de tempo a menos em coleta de dados e 25% a mais em análise.

“Isso significa otimização dos processos, equipe mais valorizada, com melhor remuneração, mas menos custos no geral”, explica Cida.

Experiência

A área de Estratégia Corporativa da Volkswagen responde para a vice-presidência financeira e comanda tanto o desenvolvimento estratégico quanto a gestão de performance, incluindo os indicadores.

“É interessante porque Finanças normalmente faz o controle, mas, no nosso caso, também fomenta o desenvolvimento”, diz Rodrigo Purchio, gerente de Estratégia Corporativa da montadora.

Por meio da metodologia BSC (Balanced Scorecard), os indicadores que acompanham o desempenho da operação brasileira seguem o mapa estratégico da companhia desenhado em 2007, com vistas a 2018.

A operação no Brasil, ressalta Purchio, é a segunda maior da marca alemã, com 24% do volume mundial, atrás apenas das atividades na China.

“Nosso BSC é acompanhado pelo professor Robert Kaplan (que, com o professor Robert Norton, desenvolveu a metodologia de medição de desempenho) e virou case em seu MBA, em Harvard”, destaca.

Hoje, segundo Purchio, a empresa tem 19 indicadores. “Vinte ainda é um número gerenciável”, argumenta.

Não à toa, a mesma vice-presidência de Finanças que comanda a Estratégia Corporativa da montadora também está à frente da área de TI. “É muito importante ter TI junto, para fazer análises de mercado e de tendências”, acrescenta.

Entre os desafios, está a automatização total dos paineis que permitem acompanhar os resultados. “O input de dados deve ficar infinito, considerando o big data”, comenta.

“Hoje, já existem muito mais itens monitoráveis. No futuro, vejo uma sofisticação dos indicadores”, conclui.

 

A seguir, a íntegra da apresentação de Luiz Viotti e Cida Hess da PwC, no Comitê Aberto de Finanças da Amcham – São Paulo:

 

 

registrado em: