Legitimação de um sucessor depende tanto de fatores pessoais quanto organizacionais, aponta consultora

por marcel_gugoni — publicado 14/03/2012 09h33, última modificação 14/03/2012 09h33
Recife – Divulgar amplamente os critérios de seleção de um novo líder é um dos pontos de destaque.
carmem_cardoso195.jpg

Importante passo no processo sucessório, a legitimação de um novo líder será realizada com sucesso apenas se houver alinhamento de fatores pessoais e organizacionais. É o que defende Cármen Cardoso, sócia da TGI Consultoria em Gestão. 

“Cabe à empresa deixar claro quais foram os critérios para escolha do novo líder. Isso facilitará a aceitação dessa pessoa pela equipe. Ao profissional, cabe saber lidar com as reações contrárias à sua presença e também ter disposição para aprofundar vínculos profissionais com a equipe”, destacou Cármen, que participou do comitê estratégico de Gestão de Pessoas da Amcham-Recife nesta terça-feira (13/03).

Ela acredita que a possível desaprovação de uma equipe a um novo líder não deve ser fator decisivo na escolha de quem ocupará o cargo – apesar de reconhecer que este é um fator importante no processo de sucessão.

“Situações de rejeição ao novo líder acontecem. As pessoas se perguntam ‘por que ele e não eu?’, ‘estou há mais tempo na empresa, eu deveria ter sido escolhido’, ou ainda ‘sou mais velho do que ele, eu deveria ocupar o cargo’. Isso pode ser muito prejudicial à gestão do novo líder”, ilustrou.

Desafios da liderança

Cármen reforça que o líder tem como principal função gerir pessoas. “Saber equilibrar uma abordagem subjetiva – que esteja atenta à equipe, seus sentimentos e as percepções do clima de trabalho - com uma mais objetiva de tarefas, processos e metas é imprescindível para uma liderança positiva”, analisou.

Ela cita que a chave para a liderança reside em conseguir unir os fatores respeito, estímulo, cuidado e reconhecimento à gestão participativa. “Outros pontos são a capacidade de articular o departamento liderado junto ao restante da empresa, evitando o isolamento”, disse.

Dentre os desafios de quem é líder, Cármen cita o poder de mobilização através do exemplo e a necessidade de acompanhamento das metas, especialmente aquelas implantadas após o início da nova gestão. “Quando se precisa que os funcionários trabalhem no final de semana, o líder deve estar junto com eles para dar o exemplo. E se implanta uma nova meta, precisa monitorar de perto como ela tem sido atendida”, comentou.

Leia mais notícias sobre o assunto:

Sucessão para postos-chave é um trabalho constante, diz consultor

Comando deve ser exercido através de otimismo e empatia

Empresas têm que desengessar gestão e colocar seus valores em prática, ensina especialista em RH

Pesquisas de clima organizacional priorizam eficácia

Identificar quem são os talentos ainda é dificuldade para corporações

Quer participar dos eventos da Amcham? Saiba como se associar aqui

Veja aqui quais são as vantagens de ser sócio da Amcham

registrado em: