Liderar é ouvir e desenvolver pessoas, afirma consultor

publicado 29/04/2014 11h25, última modificação 29/04/2014 11h25
Recife - Diretor MA&S Desenvolvimento Gerencial falou sobre "Liderança" no comitê de Gestão de Pessoas em 23/04
liderar-foto01.jpg-772.html

"Gosto de citar duas competências como fundamentais e imprescindíveis a um bom líder: gostar de gente, no mais amplo significado da palavra, e saber ouvir". É o que afirma Mário Almeida, diretor e consultor organizacional da MA&S Desenvolvimento Gerencial, durante o Comitê de Gestão de Pessoas da Amcham-Recife, na quarta-feira (23/04).

"Apesar de conceitualmente muito simples, essas características estão entre as mais difíceis de serem bem desenvolvidas", continuou o consultor. Para Almeida, uma liderança de influência traz sempre um fortalecimento da cultura organizacional da empresa, além de um forte desenvolvimento de pessoas – um dos principais papéis do líder. "O maior defeito de uma liderança é, além de não gostar de gente e não saber ouvir, não saber desenvolver pessoas". 

O Comitê de Gestão de Pessoas, que reuniu mais de 80 pessoas, abordou o tema Liderança – Arte de Desenvolver Pessoas. "É importante que o líder conheça de gente e possuir habilidades para poder identificar talentos, desenvolver e reter talentos na organização. Profissionais que se mantém no poder por mais tempo costumam ser focados em resultados e, de forma principal e preponderante, muito competentes em lidar com gente, saber ouvi-las e ajudá-las". 

Para deixar sua marca de maneira positiva e influenciar diretamente, o líder deve ter características natas como competitividade, gosto por desafios, habilidades fortalecidas para metas e resultados. "O profissional deve aprender tudo que puder sobre as competências focadas em conhecer e desenvolver pessoas, pois os resultados vêm delas".

Há, entre os mais praticados, vários modelos de lideranças: autoritário, indeciso, liberal, democrático, emergente, situacional e coaching. E todos possuem seu ponto positivo. É, no entanto, o situacional que Almeida vê mais fortalecido atualmente. "Um dos modelos mais utilizados é o de liderança situacional, que leva em consideração todas as variáveis pontuais do cenário que, somadas à gestão por competências e aos conceitos e práticas de Liderança Coaching, tornam-se uma combinação muito interessante".

registrado em: