Líderes devem evitar imposição de metas impossíveis às equipes

por daniela publicado 11/10/2011 14h39, última modificação 11/10/2011 14h39
São Paulo - Na ânsia de ampliar negócios, gestores têm dificuldades para identificar limites entre objetivos viáveis e inviáveis, com risco de desmotivar colaboradores, alertam especialistas.
roseli.jpg

Na ânsia de acelerarem o ritmo de crescimento dos negócios em um cenário de forte competição, principalmente em economias emergentes como a brasileira, muitas empresas acabam cometendo um grave equívoco ao imporem metas impossíveis às suas equipes, alertam especialistas que participaram do comitê de Gestão de Pessoas da Amcham-São Paulo nesta terça-feira (11/10).

Assim, a grande responsabilidade dos líderes é avaliar adequadamente a capacidade de entrega dos colaboradores para que os objetivos da companhia sejam, de fato, viáveis e motivadores. Quando esse trabalho não é feito, gera clima de desânimo, que pode culminar até na fuga de talentos.

“As metas devem ser desafiadoras e alinhadas à capacidade de entrega dos profissionais. Os líderes devem conhecer muito o potencial das suas equipes, assim como os recursos que estão disponíveis, para não ultrapassarem esses limites”, ressaltou Roseli Parrella, diretora de Capital Humano da SKY, empresa do segmento de TV por assinatura via satélite.

Ingrediente: paixão

Além da avaliação dessas condições técnicas, aos gestores também cabe inspirar os colaboradores. “Eles têm de mostrar o propósito maior das estratégias, isto é, fazer os colaboradores perceberem o que eles ganham ao atingirem as metas do ponto de vista de suas carreiras. Os bons líderes trabalham para o reconhecimento e o desenvolvimento de suas equipes e, ao agirem assim, não há quem não se engaje”, explicou Roseli.

“Cabe aos líberes despertarem a paixão das pessoas para realizar as atividades. Para isso, não há fórmula pronta. É necessário entender as expectativas colaboradores”, acrescentou Fernando Perez, diretor Comercial Sherwin-Williams Brasil para o segmento imobiliário.

Tratamento individualizado

Para Durival Pitta, diretor Comercial da Sherwin-Williams Brasil na área de atendimento ao setor industrial, o feedback é essencial, com a rigorosa análise dos desempenhos - pessoa por pessoa-, identificando os pontos positivos e os que devem ser aperfeiçoados. Na visão dele, as políticas de desenvolvimento de carreiras e de meritocracia dentro das empresas são hoje cada vez mais individualizadas e flexíveis.

“É impossível tratar todos igualmente. Por exemplo, quem faz  mais pela empresa precisa de um reconhecimento maior em exposição e remuneração”, concordou Roseli Parrella, da SKY.

 

registrado em: