Networking 4.0 enxerga o ser humano e não o cargo ou salário, diz Marc Tawil

publicado 03/07/2018 11h36, última modificação 04/07/2018 09h50
Goiânia – Para o empreendedor, o ser humano é que tem que estar no centro da estratégia
networking 4.0

Marc Tawil, empreendedor e palestrante: novo networking é mais humanizado e genuíno

O novo jeito de fazer networking, que o empreendedor e colunista Marc Tawil batiza de Networking 4.0, tem cinco dimensões: ser humano no centro da estratégia, relações conscientes, alta conectividade, impacto e cultura evolutiva. “A primeira coisa proposta pelo Networking 4.0 é a mudança do olhar”, segundo o especialista, no Networking 4.0 organizado pela Amcham-Goiânia em 14/6.

A forma de se relacionar profissionalmente tem que ir além do ‘toma lá dá cá’, acrescenta Tawil. “É preciso enxergar o ser humano do outro lado, não apenas como um cargo ou um salário. O novo networking que está em curso é mais humanizado, mais genuíno, mais durável, mais escalável e mais eficaz.”

Isso porque as relações pessoais e de trabalho mudaram e, com elas, o jeito de manter contatos profissionais, argumenta Tawil. Com isso, manter uma rede de contatos baseada apenas em interesses não serve mais. É o que Tawil chama de “notworking”. “O primeiro erro do ‘notworking’ é cometido por muitos: estar próximo aos contatos só em momentos de crise ou de necessidade.”

Outros erros do ‘notworking’ giram em torno do egocentrismo e interesses de curto prazo. Entre eles, estão mostrar-se despreparado ou vago na interlocução, ignorar o follow up (acompanhamento), tentar ser o centro das atenções, ser chato demais, bajulador e mostrar-se egoísta. Esse ou alguns vícios de comportamento ainda são muito cometidos, aponta Tawil.

 

registrado em: