Pesquisa Amcham: companhias se dividem igualmente na intenção de ampliar ou manter aporte de recursos para RH em 2012

publicado 20/10/2011 15h24, última modificação 20/10/2011 15h24
São Paulo – Sondagem mostra também que 93% das empresas se dizem impactadas pela escassez de mão de obra qualificada no País.

Pesquisa realizada pela Amcham, em parceria com o Ibope, junto à base de associados da entidade mostra que as empresas estão divididas no que toca a ampliação ou manutenção de investimentos em recursos humanos em 2012. Metade dos executivos consultados apontou cada uma das tendências. Na sondagem de 2010, olhando para 2011, predominou (61%) a visão de que os aportes cresceriam no ano seguinte.
Atualmente, 93% das companhias são impactadas pela escassez de mão de obra qualificada, sendo que 57% expressivamente e 36% de forma relativa.

Os dados fazem parte da pesquisa “Business Round Up – Perspectivas 2012” da Amcham, que mostra a visão do empresariado com relação à economia e aos negócios no próximo ano.

Folha de pagamento

Para o próximo ano, 71% das empresas preveem aumento da folha de pagamentos. O incremento se deve a aumento do quadro (50%); planos de retenção (30%); e cenário de disputa por talentos no mercado (20%). Esses aumentos, na percepção da maioria dos entrevistados não serão predominantes por áreas de atuação (60%) nem por níveis hierárquicos (70%).

Em relação aos custos com benefícios, 36% projetam aumento e 64% manutenção do realizado em 2011. Dentro do pacote de benefícios, as organizações buscarão incorporar plano de saúde (50%); alimentação (21%); carros e combustíveis (14%); e qualidade de vida (14%).
Metade da amostra respondeu que o orçamento para 2012 contempla aumento dos investimentos em treinamentos, sendo essa capacitação na maioria dos casos estendida a todos os níveis hierárquicos (segundo 57%) e áreas de atuação (71%).

Ações estratégicas

Em 2012, as ações estratégicas voltadas à qualificação da mão de obra estarão centradas em parcerias com instituições de ensino (50%); com organizações não governamentais (29%); e entre a iniciativa privada (14%). A capacitação também será realizada via PPPs (Parcerias Público Privadas, com 7%) e criação de instituições de ensino (7%).

Os treinamentos, segundo o planejamento das companhias para 2012, serão realizados principalmente por meio de cursos presenciais (71%); treinamento em serviço (71%); palestras (57%); visitas técnicas (50%); cursos à distância (43%); e reuniões informativas (43%).

Em relação à retenção de talentos, as empresas apostam em programas de desenvolvimento profissional (57%); políticas de remuneração variável (50%); gestão de carreira (50%); monitoramento do clima organizacional (36%); remuneração fica diferenciada (29%); benefícios diferenciados (21%) e programas de qualidade de vida (7%).

 

registrado em: