Pesquisa em Pernambuco ajudará a aproximar pequenas empresas das oportunidades de negócios da Copa

por giovanna publicado 13/05/2011 17h54, última modificação 13/05/2011 17h54
Anne Durey
Recife – Levantamento está sendo preparado por secretaria do governo estadual e deve ficar pronto em outubro.
foto_gilberto.jpg

Além das grandes e médias empresas, as micro e pequenas também terão grandes oportunidades de negócios com a realização da Copa do Mundo de 2014. Para ajudar no alinhamento entre o poder público e esse segmento corporativo, a Secretaria Extraordinária da Copa 2014 em Pernambuco (Secopa) prepara uma pesquisa de opinião junto a essas companhias no Estado, que deve ficar pronta em outubro, adiantou Gilberto Pimentel, secretário executivo de Relações Institucionais da secretaria.

“Realizaremos sondagem no segundo semestre para medir o que o empresariado espera da Copa de 2014 em Pernambuco. Com esse levantamento, poderemos, por exemplo, traçar estratégias de ação junto às companhias de micro e pequeno porte”, explicou Pimentel, que participou do comitê de Small Business da Amcham-Recife nesta sexta-feira (13/05).

O secretário apontou que, neste momento inicial das obras, os setores de construção civil e turismo, capitaneados por empresas de médio e grande porte, tendem a ser os mais beneficiados. Entretanto, as oportunidades de novos negócios se estenderão a segmentos como alimentação, têxtil, varejo e telecomunicações, nos quais há grande presença de micro e pequenas companhias.

Imagem

Outro ponto destacado por Pimentel diz respeito à imagem que Pernambuco passará no contexto do evento mundial. “Não podemos ter estratégias de comunicação diferenciadas. Esta é a hora de nos mostrarmos um país moderno, um estado moderno, com capacidade de realizar eventos com uma gestão profissional capacitada, e com caráter inovador”, defendeu. Essa postura, continuou ele, vai muito além de apenas reforçar a imagem de receptividade e alegria.

De acordo com Pimentel, visitarão o Brasil, na ocasião da Copa, 600 mil turistas de todo o globo. Além disso, mais de 3,5 milhões de brasileiros se deslocarão entre cidades do País para acompanhar os jogos. A maioria dessas pessoas será de homens e solteiros, viajando em grupo com amigos, na faixa de 25 a 40 anos: “As empresas precisam pensar produtos para atender a esse perfil de consumidor”, indicou.

Perguntado sobre como uma companhia pode oferecer seus produtos e serviços para as entidades organizadoras da Copa, o secretário recomendou consulta ao banco de dados online do Ministério do Esporte.

registrado em: